Neurociência cognitiva e epistemologia moral: sobre a irredutibilidade do saber ao conhecimento

Autores

  • Darlei Dall'Agnol Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, S.C.

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2020v19n1p49

Palavras-chave:

Ética, Epistemologia moral, Saber-como, Cuidado

Resumo

Trata-se, neste trabalho, de mostrar a irredutibilidade do saber, em especial do saber moral, ao conhecimento de tipo proposicional. A partir das contribuições da neurociência cognitiva para a epistemologia moral, argumenta-se que o saber-como (knowing-how) não pode ser completamente analisado em termos do saber-que (knowing-that). Critica-se, então, as tentativas recentes, em especial de Stanley, de mostrar que todo conhecimento é proposicional. Finalmente, o trabalho ilustra como o saber moral pode ser identificado em atitudes, por exemplo, saber-como cuidar de um indivíduo vulnerável, saber-como respeitar pessoas etc. A conclusão, então, é que o saber moral não é identificável com o conhecimento factual.

 

Biografia do Autor

Darlei Dall'Agnol, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, S.C.

Darlei Dall 'Agnol possui Graduação e Especialização em Filosofia pela Universidade de Caxias do Sul (RS) onde também atuou como professor (1987-1993). Fez Mestrado em Filosofia - Ética - na UFRGS e Doutorado em Filosofia (PhD) - Ética - na University of Bristol, Inglaterra. Fez pós-doutorado em metaética na University of Michigan in Ann Arbor (US). Foi chefe dos Departamentos de Filosofia da UCS e da UFSC e Coordenador do Néfipo - Núcleo de Ética e Filosofia Política da UFSC. Fundou e foi o primeiro editor das revistas Conjectura e Ethic@ e, hoje, coordena a Série Ethica pela EdUFSC. Publicou vários livros na área de Ética e possui inúmeros artigos e capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior (Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha, Áustria, Portugual). Desde 1994, é professor da Universidade Federal de Santa Catarina e, recentemente (2007-2011) atuou na Coordenação do Pós-Graduação em Filosofia (Mestrado e Doutorado) da UFSC. Atualmente, participa do projeto de investigação "Formas de vida y cultura: Wittgenstein y el relativismo" coordenado pelo Professor Catedrático SanFélix Vidarte, da Universitat De València, España. Desde 2004, é Pesquisador do CNPq.

Referências

ANDRADE, B., AZEVEDO, M. A. Respeitando Biografias Até o Fim. (2020, no prelo, ethic@).

AUSTRALIAN ACADEMY OF SCIENCE. The Hippocampus & Memory (PET Ed) https://www.science.org.au/curious/video/hippocampus

BEAR, M.F., CONNORS, B. W., PARADISO, M.A. Neuroscience – Exploring the Brain. New York: Wolters Kluwer, 2016.

BENGSON, J., MOFFETT, M.A. Knowing-how – Essays on Knowledge, Mind, and Action. Oxford: Oxford University Press, 2011.

BENNET, M.R. & HACKER, P.M.S. Philosophical Foundations of Neuroscience. Oxford: Blackwell, 2003.

BONELLA, A. Em busca do conhecimento moral.

CHOMSKY, N. Rules and Representations. New York: Columbia University Press, 1980.

DALL’AGNOL, D. Saber moral: fundamentos epistêmicos da neurobioética. Filosofia Unisinos, v. 20, n. 1, p. 65-75, jan/apr. 2019. doi: 10.4013/fsu.2019.201.08

MAXWELL, N. From knowledge to wisdom. London: Blackwell, 2007.

MILNER, B., SQUIRE, L.R., KANDEL, E.R. Cognitive Neuroscience Review and the Study of Memory. Neuron. Vol. 20, March, 1998. p. 445–468.

RYLE, G. The Concept of Mind. New York: Banes & Nobles, 1949.

STANLEY, J. Know how. Oxford: Oxford University Press, 2011.

WILLIAMSON, T. & STANLEY, J. Knowing-how. The Journal of Philosophy. XCVII, p. 411-444.

WITTGENSTEIN, L. Philosophical Investigations. Oxford: Blackwell, 2016.

Downloads

Publicado

2020-05-20

Edição

Seção

Artigos