Naturalismo e existencialismo na teoria moral de Richard Hare

Marco Antônio Oliveira de Azevedo

Resumo


Em um artigo de 1966, Amartya Sen procurou mostrar que mesmo Richard Hare, um devoto explícitodo antinaturalismo em ética, ainda que inadvertidamente, incorreu num tipo de naturalismo que Senintitulou de existencial. Neste breve artigo, traço um resumo dessa crítica à teoria de Hare, em especial,da chamada “Lei de Hume”, a qual Sen preferiu apropriadamente intitular “Regra de Hare”. Pretendomostrar como esse tipo peculiar de “existencialismo” nos conduz, ainda que sob o possível protesto deHare e seus seguidores, a conclusões subjetivistas e relativistas sobre a moralidade.


Palavras-chave


Richard Hare; Superveniência; Descritivismo; Prescritivismo; Prescritivismo universal; Prescritivismo existencial

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2009v8n2p247

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional