Notas sobre o progresso em Adorno (ainda)

Autores

  • Eduardo Socha USP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e83027

Palavras-chave:

Progresso, Filosofia da história, Esclarecimento, Normatividade

Resumo

O artigo examina o teor de duas formulações críticas recentes contra o conceito esclarecido de progresso, encaminhadas em O fim do progresso, de Amy Allen, e O novo tempo do mundo, de Paulo Arantes. Em um segundo momento, indica algumas das consequências teóricas da dialética do progresso em Adorno, principalmente a partir de sua conferência de 1962, publicada em Palavras e sinais. O propósito seria evidenciar, à luz dessas duas críticas recentes, de que maneira a interpretação de Adorno sobre o progresso ainda preservaria sua força especulativa, apesar do flagelo de nosso momento histórico.

Referências

ADORNO, Theodor W. Minima Moralia: reflexões a partir da vida danificada. Tradução Luiz Eduardo Bicca. São Paulo: Ática, 1992.

ADORNO, Theodor W. Progresso. In. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Tradução Maria Helena Ruschel. Petrópolis: Vozes, 1995.

ADORNO, Theodor W. Zur Lehre von der Geschichte und von der Freiheit (1964/65). Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2016.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento - fragmentos filosóficos. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ALLEN, Amy. The end of progress: decolonizing the normative foundations of critical theory. New York: Columbia University Press, 2016.

ARANTES, Paulo Eduardo. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARANTES, Paulo Eduardo. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad, 2004.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito da História. In. Obras Escolhidas - Vol. I - Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BLOCH, Ernst. O Princípio Esperança - Volume 1. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

FORST, Rainer. Zum Begriff des Fortschritts. In. JOAS, H. (org.) Vielfalt der Moderne – Ansichten der Moderne. Frankfurt am Main: Fischer Verlag, 2012.

FREYENHAGEN, Fabian. Was ist orthodoxe Kritische Theorie? Deutsche Zeitschrift für Philosophie, v. 65, n. 3, p. 456–469, 2017.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Seis teses sobre as “teses”. In. SOCHA, Eduardo (Org.). Escola de Frankfurt : uma introdução às obras de Theodor Adorno, Walter Benjamin, Herbet Marcuse. São Paulo: Editora Bregantini, 2009.

HOHENDAHL, Peter Uwe. Progress Revisited: Adorno’s Dialogue with Augustine, Kant, and Benjamin. Critical Inquiry, v. 40, n. 1, 2013.

JAY, Martin. Martin Jay reviews The End of Progress. Critical Inquiry, 2018. Disponível em: https://criticalinquiry.uchicago.edu/martin_jay_reviews_the_end_of_progress/.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução Wilma Maas; Carlos Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Progresso e declínio: um adendo à história de dois conceitos. In. Histórias de Conceitos. Tradução Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.

LOPES, Ana Claudia. O Que é Crítico na Descolonização da Teoria Crítica? Amy Allen e O Fim do Progresso. Revista Dissonância, v. 2, 2018.

LÖWY, Michael; VARIKAS, Eleni. A crítica do progresso em Adorno. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 27, 1992.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classes. Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

NOWOTNY, Helga. Time: modern and postmodern experience. Trad. Neville Plaice. Cambridge: Polity Press, 1996.

PAYROW SHABANI, Omid. The Ineliminability of the Idea of Progress. The Journal of Value Inquiry, v. 51, n. 4, p. 663–680, 2017.

TIEDEMANN, Rolf. Nachbemerkung des Herausgebers. In. ADORNO, Theodor W. (Ed.). Zur Lehre von der Geschichte und von der Freiheit (1964/65). Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2016.

Downloads

Publicado

2021-10-29

Edição

Seção

Dossiê A teoria crítica de Theodor W. Adorno