Atendimentos nutricionais ambulatoriais e estado nutricional de crianças menores de seis anos

Pâmela Schactae Lacerda, Nilciane Taques, Jéssica Patricia Cain, Luana Molinari, Caryna Eurich Mazur, Paula Chuproski Saldan

Resumo


Objetivo: Apresentar os atendimentos nutricionais prestados às crianças menores de seis anos pelo projeto de extensão no Centro de Recuperação Nutricional de Guarapuava-PR. Método: Os atendimentos foram efetuados semanalmente por discentes e docentes do curso de Nutrição no período de 2015-2017. Realizava-se avaliação antropométrica das crianças (peso e estatura), anamnese para conhecer mães e crianças e avaliação do consumo alimentar. Após o diagnóstico nutricional eram repassadas orientações nutricionais. Eram agendadas consultas mensais para crianças com comprometimento do estado nutricional. Resultados: Realizou-se 133 atendimentos e a maioria foi na faixa etária de 6-23 meses (n=81). A maioria das crianças apresentou estado nutricional adequado (62%). Conclusões: Apesar da maioria das crianças estar eutrófica, observou-se que 38% tinham algum comprometimento do estado nutricional, sendo fundamental seu acompanhamento. 


Palavras-chave


Assistência Ambulatorial; Antropometria; Estado Nutricional; Educação Alimentar e Nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


BLACK, R. E. et al. Maternal and child undernutrition: global and regional exposures and health consequences. Lancet, v. 371, p. 243-260, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para avaliação de marcadores de consumo alimentar na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: norma técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BROOKS, J. et al. Low weight, morbidity, and mortality in children with cerebral palsy: new clinical growth charts. Pediatrics, v. 128, n. 2, p. e299-e307, 2011.

CALDAS, D. R. C. et al. Aleitamento materno e estado nutricional de crianças menores de um ano de um município do Nordeste do Brasil. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, Campo Grande, v. 20, n. 1, p. 3-10, 2016.

CARVALHO, M. F. et al. Acompanhamento do crescimento em crianças menores de um ano: situação nos serviços de saúde em Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 675-685, 2008.

COMITÊ CIENTÍFICO DO NÚCLEO CIÊNCIA PELA INFÂNCIA. Estudo I: o impacto do desenvolvimento na primeira infância sobre a aprendizagem. 2014. Disponível em: Acesso em: 13 fev. 2017.

DUNCAN, B. B.; SCHMIDT, M. I.; GIUGLIANI, E. R. J. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseada em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

FENTON, T. R.; KIM, J. H. A systematic review and meta-analysis to revise the Fenton growth chart for preterm infants. BMC Pediatrics, v. 13, n. 59, 2013.

MARINHO, L. M. F. et al. Situação da alimentação complementar de crianças entre 6 e 24 meses assistidas na Rede de Atenção Básica de Saúde Macaé, RJ, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 977-986, 2016.

MELLO, E. D.; LUFT, V. C.; MEYER, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n. 3, p. 173-182, 2004.

MUSTACCHI, Z. Curvas padrão pôndero-estatural de portadores de Síndrome de Down procedentes da região urbana da cidade de São Paulo. 2002. 192 f. Tese (Doutorado em Farmácia) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

NASSER, L. A. Importância da nutrição, da infância à adolescência. In: FAGIOLI, D. Educação nutricional na infância e na adolescência: planejamento, intervenção, avaliação e dinâmicas. São Paulo: RCN Editora. p. 33-38, 2006.

OLIVEIRA, L. P. M. et al. Preditores do retardo de crescimento linear em pré-escolares: uma abordagem multinível. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 601-613, 2007.

SALDAN, P. C.; BRECAILO, M. K. Atendimento ambulatorial de crianças em centro de recuperação nutricional. Revista Conexão UEPG, Ponta Grossa, v. 10, n. 1, p. 72-79, 2014.

SALDAN, P. C. et al. Perfil antropométrico, alimentação e situação socioeconômica de crianças atendidas em Centro de Recuperação Nutricional em Guarapuava, Paraná. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 37, n. 1, p. 205-221, 2013.

SIGULEM, D. M.; TADDEI, J. A. A. C. (Ed.). Nutrição e alimentação nos dois primeiros anos de vida. São Paulo: Compacta Nutrição, 2004.

SILVA, H. A. M. et al. Vigilância nutricional de crianças menores de dois anos do município de redenção, Ceará: a importância do diagnóstico para planejamento das políticas públicas nesse grupo etário. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v. 10, n. 56, p. 62-73, 2016.

SOUZA, M. M.; PEDRAZA, D. F.; MENEZES, T. N. Estado nutricional de crianças assistidas em creches e situação de insegurança alimentar de suas famílias. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 12, p. 3425-3436, 2012.

VIEIRA, R. W. et al. Do aleitamento materno à alimentação complementar: atuação do profissional nutricionista. Revista Acadêmica Saúde & Ambiente, Duque de Caxias, v. 4, n. 2, p. 1-8, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2018v15n30p16



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.