Conhecendo o cérebro 2018: interdisciplinaridade em um evento de extensão

Livia Langner Langner, Natãny Aparecida Paduan, Gabriel Martins Gomes, Murillo Di Angelis Aguilera, Juliane Priscila Diniz Sachs, Bruna Larissa Ramalho Diniz, Roberta Ekuni

Resumo


O “Conhecendo o Cérebro” é um evento interdisciplinar, organizado pelo Programa de Extensão Grupo de Estudos em Neurociência, que convida outros projetos da universidade de acordo com a temática proposta para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Realizado em outubro de 2018, o mesmo teve como objetivo divulgar Ciência para crianças e adolescentes da Educação Básica da região. Como método, organizou os estandes a partir da temática “Ciência para redução de desigualdades”, contemplando estandes sobre neurociência, equidade de gênero, agronomia, materiais didáticos para cegos no ensino de Biologia e estande de tecnologia. Como resultado, foram mobilizados quatro docentes, 46 alunos de graduação, e um colaborador externo, englobando três cursos de graduação da UENP. Mais de 570 pessoas visitaram o evento e interagiram com os monitores. Conclui-se que o evento atingiu seu objetivo de interagir com a comunidade, divulgando Ciência em um ambiente não-formal de ensino, contribuindo tanto para a formação dos alunos quanto para com a popularização da ciência para a comunidade.


Palavras-chave


Extensão universitária; Divulgação científica; Relações instituição/comunidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALTIERI, M. A. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista nera, n. 16, p. 22-32, 2012.

ARAUJO, E. S. N. N.; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. A. Divulgação e cultura científica. In: ARAUJO, E. S. N. N.; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. A (Orgs.). Divulgação cientifica e ensino de Ciências: estudos e experiências. São Paulo, Escrituras, p. 14-34, 2006.

BUENO, W. C. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, v. 15, n. esp, p. 1, 2010.

COELHO, G. C. O Papel Pedagógico Da Extensão Universitária. Em Extensão, v. 13, n. 2, p. 11–24, 2014.

EKUNI, R. et al. “Conhecendo o cérebro”: divulgando e despertando interesse na neurociência. Revista Ciência em Extensão, v.12, n.2, p.125-140, 2016.

FRANCISCO, W.; SANTOS, I. H. R. A feira de ciências como um meio de divulgação científica e ambiente de aprendizagem para estudantes-visitantes. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 7, n. 13, p. 96–110, 2014.

GUILHOTO, J. JM. et al. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 44, n. 3, p. 355-382, 2006.

GUZMAN, E. S. A. Sobre la agroecologia: algunas reflexiones en torno a la agricultura familiar enespaña. p. 155-197, 1996.

IGNOTOFSKY, R. As cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo. Edgard Blucker Ltda., 2017.

INSTITUTO IDENTIDADES DO BRASIL ID-BR (Brasil) (Org.). Descubra o que é Jogo do Privilégio Branco. Disponível em: http://simaigualdaderacial.com.br/site/?mergulhe_no_tema=vantagem-racial-jogo-do-privilegio-branco. Acesso em: 30 jul. 2018.

JANK, M. S.; NASSAR, A. M.; TACHINARDI, M. H. Agronegócio e comércio exterior brasileiro. Revista USP, n. 64, p. 14-27, 2005.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio Pesquisa em educação em Ciências, v. 3, n. 1, 2001.

MACACARE, O. T. et al. Ciência: alimento para o cérebro–uma proposta multidisciplinar de popularização da ciência. Revista Diálogos, v. 22, n. 1, p. 7-18, 2019.

MACHADO, Â.; CAMPOS, G. B. Neuroanatomia funcional. 2ª edição. São Paulo, Atheneu, 2006.

MÉLO, F. É. N. et al. Do Scratch ao Arduino: Uma proposta para o ensino introdutório de programação para cursos superiores de tecnologia. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. p. 10, 2011.

NAVEGA, S. Inteligência artificial, educação de crianças e o cérebro humano. Leopoldianum-Revista de Estudos de Comunicações da Universidade Católica de Santos, p. 87-102, 2000.

OCHAÍTA, E.; ESPINOSA, A. Desenvolvimento e intervenção educativa nas crianças cegas ou deficientes visuais. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J.(orgs) Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artmed, v. 3, p. 151-170, 2004.

REAL, L. C. V.; SCHNEIDER, S. O uso de programas públicos de alimentação na reaproximação do pequeno produtor com o consumidor: o caso do programa de alimentação escolar. Revista Estudo & Debate, v. 18, n. 2, 2011.

RH PORTAL. Dinâmica Do Nó. [S. l.], 2016. Disponível em: https://www.rhportal.com.br/dinamicas-de-grupo/dinmica-do-n/. Acesso em: 22 jan. 2019.

ROJÃO, G. et al. Coolkit-Jogos para a Não-Violência e Igualdade de Género. Editora: Coolabora, 2011, 96p.

SABBATINI, M. Museus e centros de ciência virtuais: uma nova fronteira para a cultura científica. Comciência, Campinas, n. 45, p. 1-6, 2003.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação. Fundação Catarinense de Educação Especial. Guia prático para adaptação em relevo: Secretaria de Estado da Educação. Fundação Catarinense de Educação Especial, Jussara da Silva (Coord.). São José: FCEE, 2011.

SCRATCH. Acerca do Scratch. [S. l.], 2019. Disponível em: https://scratch.mit.edu/about. Acesso em: 26 jan. 2019.

SMITH, Deborah D. Introdução à educação especial: ensinar em tempos de inclusão. Artmed Editora, 2009.

SOUZA, R. E. et al. “Conhecendo o cérebro”: divulgando e despertando interesse na neurociência. Revista Ciência em Extensão, v. 12, n. 2, p. 125–140, 2016.

TOKUHAMA-ESPINOSA, T. Museosinteractivos de ciencias: cómo despertar lacuriosidad natural de losniños por laciencia y latecnología. p. 15–16, 2013.

ZEGGIO, L.; EKUNI, R.; BUENO, O. F. A. Caçadores de neuromitoskids: em busca da verdade sobre o cérebro. Florianópolis: IBIES, 2018. 46p.

ZIMMERMANN, C. L. Monocultura e transgenia: impactos ambientais e insegurança alimentar. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, v. 6, n. 12, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n35p147



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.