Conhecendo o cérebro 2018: interdisciplinaridade em um evento de extensão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n35p147

Palavras-chave:

Extensão universitária, Divulgação científica, Relações instituição/comunidade

Resumo

O “Conhecendo o Cérebro” é um evento interdisciplinar, organizado pelo Programa de Extensão Grupo de Estudos em Neurociência, que convida outros projetos da universidade de acordo com a temática proposta para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Realizado em outubro de 2018, o mesmo teve como objetivo divulgar Ciência para crianças e adolescentes da Educação Básica da região. Como método, organizou os estandes a partir da temática “Ciência para redução de desigualdades”, contemplando estandes sobre neurociência, equidade de gênero, agronomia, materiais didáticos para cegos no ensino de Biologia e estande de tecnologia. Como resultado, foram mobilizados quatro docentes, 46 alunos de graduação, e um colaborador externo, englobando três cursos de graduação da UENP. Mais de 570 pessoas visitaram o evento e interagiram com os monitores. Conclui-se que o evento atingiu seu objetivo de interagir com a comunidade, divulgando Ciência em um ambiente não-formal de ensino, contribuindo tanto para a formação dos alunos quanto para com a popularização da ciência para a comunidade.

Biografia do Autor

Livia Langner Langner, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Graduanda em Ciências Biológicas na Universidade Estadual do Norte do Paraná. Bolsista PIBEX - Fundação Araucária.

Natãny Aparecida Paduan, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Graduanda em Ciências Biológicas na Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Gabriel Martins Gomes, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Graduando em Ciências da Computação na Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Murillo Di Angelis Aguilera, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Graduando em Ciências Biológicas na Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Juliane Priscila Diniz Sachs, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professora Assistente na Universidade Estadual do Paraná. Doutoranda em Ensino de Ciências e Educação Matemática (UEL).

Bruna Larissa Ramalho Diniz, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professora CRES na Universidade Estadual do Norte do Paraná, Doutoranda em Educação Para a Ciência (UNESP).

Roberta Ekuni, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professora Adjunta no Departamento de Ciências Biológicas na Universidade Estadual do Norte do Paraná. Graduada em Psicologia (UEM), Mestre e Doutora em Ciências pelo Departamento de Psicobiologia da UNIFESP.

Referências

ALTIERI, M. A. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista nera, n. 16, p. 22-32, 2012.

ARAUJO, E. S. N. N.; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. A. Divulgação e cultura científica. In: ARAUJO, E. S. N. N.; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. A (Orgs.). Divulgação cientifica e ensino de Ciências: estudos e experiências. São Paulo, Escrituras, p. 14-34, 2006.

BUENO, W. C. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, v. 15, n. esp, p. 1, 2010.

COELHO, G. C. O Papel Pedagógico Da Extensão Universitária. Em Extensão, v. 13, n. 2, p. 11–24, 2014.

EKUNI, R. et al. “Conhecendo o cérebro”: divulgando e despertando interesse na neurociência. Revista Ciência em Extensão, v.12, n.2, p.125-140, 2016.

FRANCISCO, W.; SANTOS, I. H. R. A feira de ciências como um meio de divulgação científica e ambiente de aprendizagem para estudantes-visitantes. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 7, n. 13, p. 96–110, 2014.

GUILHOTO, J. JM. et al. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 44, n. 3, p. 355-382, 2006.

GUZMAN, E. S. A. Sobre la agroecologia: algunas reflexiones en torno a la agricultura familiar enespaña. p. 155-197, 1996.

IGNOTOFSKY, R. As cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo. Edgard Blucker Ltda., 2017.

INSTITUTO IDENTIDADES DO BRASIL ID-BR (Brasil) (Org.). Descubra o que é Jogo do Privilégio Branco. Disponível em: http://simaigualdaderacial.com.br/site/?mergulhe_no_tema=vantagem-racial-jogo-do-privilegio-branco. Acesso em: 30 jul. 2018.

JANK, M. S.; NASSAR, A. M.; TACHINARDI, M. H. Agronegócio e comércio exterior brasileiro. Revista USP, n. 64, p. 14-27, 2005.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio Pesquisa em educação em Ciências, v. 3, n. 1, 2001.

MACACARE, O. T. et al. Ciência: alimento para o cérebro–uma proposta multidisciplinar de popularização da ciência. Revista Diálogos, v. 22, n. 1, p. 7-18, 2019.

MACHADO, Â.; CAMPOS, G. B. Neuroanatomia funcional. 2ª edição. São Paulo, Atheneu, 2006.

MÉLO, F. É. N. et al. Do Scratch ao Arduino: Uma proposta para o ensino introdutório de programação para cursos superiores de tecnologia. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. p. 10, 2011.

NAVEGA, S. Inteligência artificial, educação de crianças e o cérebro humano. Leopoldianum-Revista de Estudos de Comunicações da Universidade Católica de Santos, p. 87-102, 2000.

OCHAÍTA, E.; ESPINOSA, A. Desenvolvimento e intervenção educativa nas crianças cegas ou deficientes visuais. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J.(orgs) Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artmed, v. 3, p. 151-170, 2004.

REAL, L. C. V.; SCHNEIDER, S. O uso de programas públicos de alimentação na reaproximação do pequeno produtor com o consumidor: o caso do programa de alimentação escolar. Revista Estudo & Debate, v. 18, n. 2, 2011.

RH PORTAL. Dinâmica Do Nó. [S. l.], 2016. Disponível em: https://www.rhportal.com.br/dinamicas-de-grupo/dinmica-do-n/. Acesso em: 22 jan. 2019.

ROJÃO, G. et al. Coolkit-Jogos para a Não-Violência e Igualdade de Género. Editora: Coolabora, 2011, 96p.

SABBATINI, M. Museus e centros de ciência virtuais: uma nova fronteira para a cultura científica. Comciência, Campinas, n. 45, p. 1-6, 2003.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação. Fundação Catarinense de Educação Especial. Guia prático para adaptação em relevo: Secretaria de Estado da Educação. Fundação Catarinense de Educação Especial, Jussara da Silva (Coord.). São José: FCEE, 2011.

SCRATCH. Acerca do Scratch. [S. l.], 2019. Disponível em: https://scratch.mit.edu/about. Acesso em: 26 jan. 2019.

SMITH, Deborah D. Introdução à educação especial: ensinar em tempos de inclusão. Artmed Editora, 2009.

SOUZA, R. E. et al. “Conhecendo o cérebro”: divulgando e despertando interesse na neurociência. Revista Ciência em Extensão, v. 12, n. 2, p. 125–140, 2016.

TOKUHAMA-ESPINOSA, T. Museosinteractivos de ciencias: cómo despertar lacuriosidad natural de losniños por laciencia y latecnología. p. 15–16, 2013.

ZEGGIO, L.; EKUNI, R.; BUENO, O. F. A. Caçadores de neuromitoskids: em busca da verdade sobre o cérebro. Florianópolis: IBIES, 2018. 46p.

ZIMMERMANN, C. L. Monocultura e transgenia: impactos ambientais e insegurança alimentar. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, v. 6, n. 12, 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-22