O que o corpo sente na pandemia: estratégias de produção e divulgação no projeto Corpoverso

Autores

  • Agatha Madeira Wachholz Universidade Federal do Piauí
  • Conceição de Maria Ferreira de Macêdo Universidade Federal do Piauí
  • Deuselania de Sousa Ferreira Universidade Federal do Piauí
  • Jéssica Catarine Santos Moura Universidade Federal do Piauí
  • Leila Rachel Barbosa Alexandre Universidade Federal do Piauí https://orcid.org/0000-0002-0151-1422
  • Natália de Almeida Simeão Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e81358

Palavras-chave:

Libras, Poesia, Sociopoética, Instagram

Resumo

Objetiva-se relatar procedimentos executados e resultados alcançados a partir da realização da atividade de produção poética “O que o corpo sente na pandemia”, no âmbito do projeto de extensão CorpoVerso: Literatura e Identidade em Libras, vinculado ao curso de Letras-Libras da Universidade Federal do Piauí. A atividade foi realizada durante o primeiro semestre de 2020, período em que o isolamento social foi recomendado por conta das medidas de segurança em relação à Covid-19, e se ancorou principalmente nas concepções da abordagem sociopoética, que forneceu as bases para a realização de oficina em que os participantes do projeto puderam perceber como seus corpos estão lidando com emoções e sentimentos na quarentena. Considerando o desenvolvimento da atividade, são descritos aqui os procedimentos realizados antes e durante a oficina, o processo de construção poética dos integrantes da equipe e as estratégias de divulgação das produções realizadas.

Biografia do Autor

Agatha Madeira Wachholz, Universidade Federal do Piauí

Graduanda do curso de Licenciatura em Letras-Libras na Universidade Federal do Piauí. Bolsista PIBEX-UFPI 2020-2021.

Conceição de Maria Ferreira de Macêdo, Universidade Federal do Piauí

Mestranda na área de Estudos de Linguagem na Universidade Federal do Piauí.

Deuselania de Sousa Ferreira, Universidade Federal do Piauí

Graduanda no curso de Licenciatura em Letras-Libras na Universidade Federal do Piauí.

Jéssica Catarine Santos Moura, Universidade Federal do Piauí

Graduanda no curso de Licenciatura em Letras-Libras na Universidade Federal do Piauí.

Leila Rachel Barbosa Alexandre, Universidade Federal do Piauí

Docente do curso de Licenciatura em Letras - Libras na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestra em Letras pela UFPI.

Natália de Almeida Simeão, Universidade Federal do Piauí

Docente do curso de Licenciatura em Letras-Libras na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutoranda na área de Literatura pela UFPI. Mestra em Educação (UFPI).

Referências

ADAD, S. J. H. C.; PETIT, S. H.; SANTOS, I.; GAUTHIES, J. (org.). Tudo que não inventamos é falso: dispositivos artísticos para pesquisar, ensinar e aprender com a Sociopoética. Fortaleza: EdUECE, 2014.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários Escritos. 4. ed., reorganizada pelo autor. São Paulo: Duas Cidades, 2004.

FERNANDES, S.; STROBEL, K. L. Aspectos linguísticos da língua brasileira de sinais. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Departamento de Educação Especial. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2010.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. 264 p.

MARTINS, A. O.; RAMOS, P. É. G. T. Reflexões sobre a rede social Instagram: do aplicativo à textualidade. Texto Digital, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 117-133, jul./dez. 2018.

MARTINS, F. Cultura Surda — Parte 1. Blog Surdo para Surdo, 2016. Disponível em https://blog.surdoparasurdo.com.br/cultura-surda-parte-1-b00674f6ac7c. Acesso em 05 de outubro de 2020.

RAMOS, D. C. M. P.; ABRAHÃO, B. Literatura Surda e Contemporaneidade: contribuições para o estudo da visual-vernacular. Pensares em Revista, São Gonçalo, n. 12, p. 56-75, 2018

REDES SOCIAIS E INFLUENCIADORES CRESCEM NA PANDEMIA. Portal da Comunicação, 2020. Disponível em: https://portaldacomunicacao.com.br/2020/04/redes-sociais-e-influenciadores-crescem-na-pandemia/#:~:text=Durante%20o%20pico%20da%20crise,de%20mar%C3%A7o%20divulgados%20pela%20Kantar. Acesso em: 05 de outubro de 2020.

SILVA, A. B. Literatura em Libras e Educação Literária de Surdos: um estudo da coleção “Educação de Surdos” e de vídeos literários em Libras compartilhados na Internet. 2015. 196 f. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Vitória, 2015.

SIMEÃO, N. A.; ADAD, S. J. H. C.; CAMPELO, V. A. A sociopoética como língua das sensações no encontro e no aprender juntos com/entre identidades jovens surdas e ouvintes na UFPI. In: RIBEIRO, J. O. S.; BRÍCIO, V. N. de; FERNÁNDEZ, M. V. C. (Org.). Identidades: Sujeitos e Espaços Outros. Porto Alegre: Editora Fi, 2019. p. 171-193.

SUTTON-SPENCE, Rachel. Por que precisamos de poesia sinalizada em educação bilíngue. Educar em Revista., Curitiba, n. spe-2, p. 111-128, ago. 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-16