Distribuição de elementos leves dentro do VP em Português: interação entre sintaxe, prosódia e estrutura informacional em teoria da otimidade

Gabriel de Ávila Othero, Sérgio de Moura Menuzzi

Resumo


Neste artigo, analisamos o fenômeno da ordem de palavras dentro do VP em português, especialmente na variação entre complemento e advérbios monossilábicos, utilizando, para isso, o modelo da Teoria da Otimidade (TO). Mostramos que o modelo proposto pela TO permite colocar em pé de igualdade restrições de natureza sintática, prosódica e de estrutura informacional da frase que atuam sobre a distribuição dos elementos dentro do VP em português. Partimos da análise de Costa (1998) para a distribuição do acento nuclear da frase e de sua proposta para explicar o acento em advérbios monossilábicos dentro do VP e propomos quatro restrições (duas relativas à estrutura informacional da frase e duas de natureza prosódica) que podem explicar, de maneira econômica e relativamente bem motivada, a distribuição do acento nuclear da frase quando temos elementos leves dentro do VP em português.


Palavras-chave


Ordem de palavras; Foco; Estrutura informacional da frase; Teoria da otimidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2009v6n1p23

Direitos autorais

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil