Considerações sobre a história e o uso estilístico dos prefixos

Autores

  • Antonio Carlos Silva de Carvalho Universidade Cruzeiro do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2016v13n2p1240

Palavras-chave:

Prefixação, Etimologia, Léxico, Expressividade, Manoel de Barros

Resumo

O escopo deste artigo é discutir os prefixos sob uma perspectiva histórica e procurar divisar neles nuanças de valor estilístico. Tal recorte temático se deu, basicamente, por dois motivos: (i) as considerações tecidas por Martins (2003) quanto à baixa produtividade estilística propiciada pela derivação prefixal – especialmente, se comparada à derivação sufixal; e (ii) as considerações feitas por Silva (2009) sobre a chamada linguagem do des-, da negatividade, em Manoel de Barros. Num primeiro momento, fizemos uma breve incursão histórica de viés etimológico acerca dos prefixos; depois, submetendo as reflexões a que chegamos a um corpus pontual do autor, destacamos exemplos em que traços de natureza morfoestilística, que concorrem para a singularização de sua obra, também vinculada à estética do fragmentário e aos seres mais ínfimos, podem ser explorados.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Silva de Carvalho, Universidade Cruzeiro do Sul

Pós-Doutorando pela Universidade Cruzeiro do Sul (São Paulo). Bolsista da CAPES. Doutor em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador do Departamento de Linguística e membro do Grupo de Estudos Estilísticos ‒ Unicsul.

Downloads

Publicado

2016-07-03

Edição

Seção

Artigo