Discursos de verdade e biopolítica em redações de vestibulandos: a produção de subjetividades negras

Carmen Brunelli de Moura, Edgley Freire Tavares, Marluce Pereira da Silva

Resumo


Neste artigo, objetiva-se entrever que discursos e regimes de verdade foram aceitos e valorizados em redações de vestibulandos de uma instituição federal de ensino superior, no ano de 2013, sobre a temática: A participação do negro na atual sociedade brasileira.  Entre as regularidades discursivas presentes nas redações, os enunciados acerca das políticas públicas, configuradas como dispositivos biopolíticos, passam a constituir o corpus. Assume-se uma postura analítica fundamentada em uma teoria do discurso de inspiração foucaultiana, em teóricos do campo dos estudos da linguagem e em teorizações sociais referentes à história dos negros. Conclui-se que os discursos de verdade, que atravessam as redações, são produzidos pelo Estado e reproduzidos e valorizados pelos candidatos quando reforçam efeitos de sentido de positividade das políticas públicas. 


Palavras-chave


Discursividade; Biopolítica; Subjetividades negras

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n2p2974

Direitos autorais 2018 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil