Os recordatórios dos desaparecidos durante a última ditadura argentina (1976-1983): análise crítica do gênero

Graciela Mazur Geinses

Resumo


Neste artigo, analisa-se um gênero discursivo surgido aproximadamente no ano 1988: o recordatório de desaparecido durante a última ditadura argentina (1976-1983). Utiliza-se a abordagem apresentada por Meurer (2005), que analisa o gênero desde as categorias propostas por Fairclough (1992) para a Análise Crítica do Discurso. O recordatório de desaparecidos é um gênero híbrido, pois possui algumas das características de vários gêneros discursivos. Estes são, em primeiro lugar, aqueles tradicionalmente relacionados à circunstância da morte e, em segundo lugar, , o que poderíamos chamar "gêneros da memória", associados à memória das vítimas do terrorismo de Estado; além disso, apresentam a busca de informações sobre o paradeiro de pessoas, fora do contexto de uma ditadura. A análise realizada aqui enfoca especialmente nos recordatórios que Estela Barnes de Carlotto, presidente da Associação “Avós da Plaza de Mayo”, escreveu para sua filha Laura Carlotto, detida-desaparecida durante o último governo militar na Argentina.


Palavras-chave


Recordatórios de desaparecidos; Análise crítica de gênero; Gênero híbrido

Texto completo:

PDF/A (Español (España))

Referências


BONINI, A. Mídia / suporte e hipergênero: os gêneros textuais e suas relações. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 11, n. 3, p 679-704, 2011.

BONINI, A. Análise crítica de gêneros discursivos no contexto das práticas jornalísticas. In: Seixas, Lia, Pinheiro, Najara Ferrari. (Orgs.), Gêneros: um diálogo entre comunicação e Linguística Aplicada. Florianópolis: Insular, 2013. p 103-120.

D'ALESIO, R. Ley de Punto Final: el camino hacia la impunidad. La izquierda diario. Buenos Aires, 22 feb. 2018. Disponible en: http://www.laizquierdadiario.com/Ley-de-Punto-Final-El-camino-hacia-la-impunidad.

FAIRCLOUGH, N. Discourse and social change. Cambridge: Polity Press, 1992

MAZUR GEINSES, G. Entrevista a Estela de Carlotto, Buenos Aires [sin publicar], abril, 2019.

MEURER, J. L. O trabalho de leitura crítica: recompondo representações, relações e identidades sociais. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 38, p.155-171, 2000..

MEURER, J. L. Gêneros textuais na análise crítica de Fairclough. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 81-106

PANIZZO, L. Ausencia y desaparición el caso de los desaparecidos de la última dictadura militar en Argentina. Argos, Caracas, v. 29, n. 57, p 94.-125, 2012.

SWALES, J. M. Repensando gêneros: uma nova abordagem ao conceito de comunidade discursiva. In: BEZERRA, B. G.; BIASI-RODRIGUES, B.; CAVALCANTE, M. C. (org.). Gêneros e sequências textuais. Recife: Edupe, 2009 [1992]. p. 197-220

UN ESPACIO de memoria. Diario Página 12, Buenos Aires, 10 ago. 2014. Disponibles en: https://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-252667-2014-08-10.html.

VAN DEMBROUCKE, C. Absent yet still present: family pictures in Argentina’s Recordatorios. Texas: Thesis Presented to the Faculty of the Graduate School of The University of Texas at Austin, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17n1p4456

Direitos autorais 2020 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil