Imaginário e identificação no discurso sobre Donald Trump: análise do funcionamento de capas das revistas Exame e Istoé

Autores

  • Fábio Elias Verdiani Tfouni Universidade Federal de Sergipe
  • Evandra Grigoletto Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17n2p4815

Palavras-chave:

AAnálise do Discurso, Donald Trump, Identificação, Imaginário

Resumo

O objetivo do presente trabalho, filiado aos princípios teóricos e metodológicos da Análise do Discurso Pecheutiana, em uma interface com a psicanálise Freudo-Lacaniana, é o de analisar a imagem sobre Donald Trump em revistas brasileiras de grande circulação. Mais especificamente, tomando como materialidade a capa de duas revistas (Exame e IstoÉ), buscamos compreender a tomada de posição das revistas em relação a Trump, a partir da análise da imagem projetada ao Presidente Americano e das relações de (contra)identificação. Isso nos permitiu concluir que a posição ideológico-discursiva com as quais os sujeito-jornalistas se identificam é contrária à posição assumida por Trump. Tal conclusão é corroborada pela imagem dominante, atribuída a ele pelas revistas, qual seja: a de um político de extrema direita, um “Hitler americano”, capaz de destruir as ideias da política e economia liberais.

 

Biografia do Autor

Fábio Elias Verdiani Tfouni, Universidade Federal de Sergipe

Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Sergipe

Evandra Grigoletto, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Letras Português Francês pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1997). Realizou mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Atualmente, é professora Adjunto IV da Universidade Federal de Pernambuco, atuando na graduação presencial e à distância e no Programa de Pós-Graduação em Letras desta Universidade. É líder do NEPLEV (Núcleo de Pesquisas em Práticas de Linguagem e Espaço Virtual) e participa, como pesquisadora, do GEPAD (Grupo de Estudos e Pesquisa em Análise do Discurso). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise do Discurso, atuando principalmente nos seguintes temas: sujeito, mídia, novas tecnologias, religião, divulgação científica.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidades enunciativas. Caderno de estudos linguísticos, v. 19. Campinas, jul./dez. 1990.

ADORNO, G. Os vlogs e a identificação paradoxal dos criadores de discurso. Línguas e Instrumentos Linguísticos, n. 37, Campinas, jan.-jun. 2016.

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado. 7.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

DIAS, S. O significante é uma palavra mestra? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONVERGÊNCIA, MOVIMENTO LACANIANO PARA A PSICANÁLISE FREUDIANA, 4. Buenos Aires, 2009. Disponível em: http://www.espacopsicanalise.com.br/significante.html. Acesso em: 25 abr. 2019.

LE GOFF, J. A história nova. In: LE GOFF, Jacques (org.). A história Nova. Trad. de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

MARANDIN, J.-M; PÊCHEUX, M. Informática e Análise do Discurso. In: PIOVEZANI, C; SARGENTINI, V. (org.). Legados de Michel Pêcheux: inéditos em análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2011 [1982]. p. 111- 115.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2. ed., 1. reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GREGOLIN, M. do R. Análise do discurso e mídia: a (re)produção de identidades. Mídia, comunicação e consumo, v. 4, n. 11, São Paulo, p. 11‑25, nov. 2007

GRIGOLETTO, E. A noção de sujeito em Pêcheux: Uma reflexão acerca do movimento de desidentificação. Estudos da Linguagem, Vitória da Conquista, n.1, p. 61-67, jun. 2005

GRIGOLETTO, E.; SILVA SOBRINHO, H. F. O imaginário sobre o golpe de 2016: silenciamentos e contradições. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F.S.; SILVA SOBRINHO, H. F. (org.). Imaginário, sujeito, representações. Recife: Editora Universitária, 2018. p. 37- 58.

INDURSKY, F. A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; LEANDRO FERREIRA, M. C. (org.) Memória e história na/da Análise do Discurso. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. p. 67-89.

NOMINÉ, B. Sobre identidade e identificações: conferências (2014-2015). São Paulo: Blucher, 2018.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 3.ed. Campinas, SP: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3.ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1997 [1969]. p. 61- 161.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2.ed.Trad. Eni P. Orlandi et al. Campinas: Unicamp, 1995 [1975].

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas, SP: Pontes, 1999 [1983a]. p. 49- 57.

PÊCHEUX, M. Discurso: estrutura ou acontecimento. 2.ed. Campinas, SP: Pontes, 1997 [1983b].

ROUDINECO, E; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

TFOUNI, F.E.V. O discurso sobre Donald Trump em capas de revista de grande circulação. In: LIMA, G. de O. S.; NASCIMENTO, J. P. F.; CARDOSO, T. G. (org.). Pesquisa em linguística: abordagens contemporâneas. Aracaju: Criação, 2018a. p. 219-228

TFOUNI, F. E.V. Ideologia, identidade e identificação na mídia: Uma abordagem discursiva. [Projeto de Pós-doutorado]. 2018b.

TFOUNI, F.E.V. O significante-mestre e a identificação no discurso midiático. Entremeios: Revista de Estudos do Discurso, v. 21, jan.- jun./2020.

TFOUNI, L.V. Letramento e alfabetização. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

TFOUNI, L.V. O dado como indício e a contextualização do(a) pesquisador(a) nos estudos sobre compreensão da linguagem. D.E.L.T.A., v.8, n.2, 1992.

ZIZEK, S. Why we all love to hate Haider. In: New left review 2, 2000. p. 37-45. Disponível em: https://newleftreview.org/ii/2/slavoj-zizek-why-we-all-love-to-hate-haider. Acesso em: 23 ago. 2018.

ZIZEK, S. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

Publicado

2020-09-02

Edição

Seção

Artigo