Subvertendo o cronotopo: o caso Donnie Darko (2001)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e70764

Palavras-chave:

Estudos cinematográficos, Cronotopo, Ficção científica

Resumo

Este artigo analisa o filme Donnie Darko (2001) do diretor e roteirista Richard Kelly através da perspectiva teórica do cronotopo de Mikhail Bakhtin (1981). Este último define-o como um entrelaçamento entre relações temporais e espaciais, artisticamente assimiladas na literatura (BAKHTIN, 1981), mas neste estudo é aplicado aos estudos de filmes. Os conceitos de imagem-movimento e imagem-tempo de Gilles Deleuze (1986, 1989) também contribuem para a análise. O filme apresenta sequências de interrupção cronotópica, que estão associadas ao estado mental do personagem principal. Técnicas de cinema como paralelismo, superposição e elipses contribuem para essa ruptura na associação de tempo e espaço. Por fim, a análise discute a proposta de Garret Stewart (2007) de que o cinema digital contribui para uma cinematografia disruptiva, especialmente em relação às construções de espaço-tempo.

Referências

BAKHTIN, M. The dialogic imagination. Austin: University of Texas Press, 1981. p. 84-85; 243-258.

BERGSON, H. Creative evolution. Arthur Mitchell Trans. New York: The Modern Library, 1911.

DELEUZE, G. Bergsonism. 1966. Brooklyn, NY: Zone Books, 1988.

DELEUZE, G. Cinema 1: the movement-image. Hugh Tomlinson and Barbara Habberjam Trans. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1986.

DELEUZE, G. Cinema 2: The time-image. Hugh Tomlinson and Robert Galeta Trans. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1989.

DONNIE DARKO. Dir. Richar Kelly. Twentieth Century Fox, 2001.

HAYWARD, S. Cinema Studies: The Key Concepts. London and New York: Routledge, 2000.

STEWART, G. Framed Time: towards a postfilmic cinema. Chicago and London: University of Chicago Press, 2007.

VASCONCELLOS, J. Deleuze e o cinema. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2006.

Publicado

2020-12-30