Financiamento à pesquisa: a vantagem competitiva analisada sob a ótica da Visão Baseada em Recursos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2019v12n3p235

Palavras-chave:

Estratégia, RBV, Universidades, Vantagem competitiva

Resumo

As universidades se encontram em um ambiente competitivo, por isso o objetivo deste artigo foi analisar recursos que podem ser fonte de vantagem competitiva, para a obtenção de fundos de financiamento à pesquisa nas universidades públicas federais da região sul do Brasil. Por meio de entrevistas semiestruturadas, com professores/pesquisadores de quatro universidades públicas foram analisados e encontrados os seguintes recursos que na percepção dos entrevistados geram vantagem competitiva, a) Pesquisadores; b) Relacionamentos do pesquisador; c) Estrutura de suporte à pesquisa; d) Reputação da Universidade; e) Avaliação da CAPES; f) Relacionamentos da universidade; e g) Estrutura física da Universidade. Tomando-se como base a RBV para análise da vantagem competitiva conclui-se que o pesquisador e seu know-how é fundamental para obter financiamento, pois de acordo com sua habilidade e capacidade, há maiores chances da obtenção de financiamento para realização das pesquisas; a existência de estrutura de suporte à pesquisa - suporte técnico e operacional ao pesquisador oferecida pela universidade - possibilita ao pesquisador dedicar mais tempo para a pesquisa e não para detalhes operacionais; os relacionamentos, seja dos pesquisadores ou das universidades, ampliam a fronteira na qual podem buscar recursos; a reputação da universidade e a avaliação da CAPES são recursos que se relacionam, pois a melhor reputação da universidade pode estar associada à melhor avaliação da CAPES, possibilitando que os pesquisadores tenham mais facilidade ao acesso de fontes de financiamento. Todos esses recursos geram algum tipo de vantagem competitiva aos pesquisadores. No entanto, com relação a estrutura física, nesse contexto, não observou-se indícios de que poderia gerar vantagem competitiva.

Biografia do Autor

Vilmar Siewert Junior, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestre em Administração (2017), com graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Regional de Blumenau (2014). Estudou a compreensão e o conhecimento da Educação Financeira nos jovens das escolas públicas de Blumenau, trabalho esse que foi premiado no VI Premio INFI-FEBRABAN de Economia Bancária, edição 2014. Atualmente é professor na Universidade Regional de Blumenau - FURB. Leciona disciplinas voltadas para Administração e Economia (Mercado de Capitais, Finanças Corporativas, Engenharia Econômica, Análise de Investimento e Microeconomia)

Iara Regina dos Santos Parisotto, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutora (2012) em Administração UNINOVE, Mestre em Ciências Contábeis-Controladoria pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2005), especialista em Gerência Contábil e Auditoria e Gerência da Qualidade dos Serviços Contábeis, graduada em Ciencias Contabeis pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (1991). Professora TI-40H FURB. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) - FURB. Atua na Coordenação Ambiental da FURB e na Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da FURB.

Referências

AURANEN, O.; NIEMINEN, M. University research funding and publication performance—An international comparison. Research Policy, v. 39, n. 6, p. 822–834, 2010.

BAENINGER, R. A população de mestres e doutores no Brasil. In: CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Doutores 2010: estudos da demografia da base técnico-científica brasileira. Brasília: CGEE, 2010. Disponível em: <http://www.cgee.org.br/hotsites/download/tabelas_pdf/Doutores2010_cap4.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2017.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, v. 17, n. 1, p. 99–120, 1991.

BARNEY, J. B. The resource-based theory of the firm. Organization science, v. 7, n. 5, p. 469, 1996.

BARNEY, J. B. Is the resource-based“ view” a useful perspective for strategic management research? Academy of management review, v. 26, n. 1, p. 22–40, 2001a.

BARNEY, J. B.; ARIKAN, A. M. The Resource-based View: Origins and Implications. The Blackwell handbook of strategic management, p. 125, 2006.

BARNEY, J. B.; KETCHEN, D. J.; WRIGHT, M. The Future of Resource-Based Theory: Revitalization or Decline? Journal of Management, v. 37, n. 5, p. 1299–1315, 1 set. 2011.

BARNEY, J.; WRIGHT, M.; KETCHEN, D. J. The resource-based view of the firm: Ten years after 1991. Journal of management, v. 27, n. 6, p. 625–641, 2001.

BOBE, B. J.; KOBER, R. Measuring organisational capabilities in the higher education sector. Education + Training, v. 57, n. 3, p. 322–342, 2015.

CNPQ. Dados Abertos. Disponível em: <http://cnpq.br/dados_abertos/>. Acesso em: 20 fev. 2017.

CUTCLIFFE, J. R. Methodological issues in grounded theory. Journal of Advanced Nursing, v. 31, n. 6, p. 1476–1484, 2000.

DE HAAN, H. H. Enhancing Competitive Advantages: Dutch Higher Education Institutions Strategically managing Internationalisation. [s.l.] University of Bath, 2011.

DE HAAN, H. H. Competitive advantage, what does it really mean in the context of public higher education institutions? International Journal of Educational Management, v. 29, n. 1, p. 44–61, 2015.

ESCOBAR, H. CNPq corta 20% das bolsas de iniciação científica no País. Disponível em: <http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,cnpq-corta-20-das-bolsas-no-pais,10000067297>. Acesso em: 24 jan. 2017.

FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 17–27, 2008.

JONGBLOED, B. Funding Higher Education: a view across Europe. Europe, p. 1–35, 2010.

LAUDEL, G. The art of getting funded: how scientists adapt to their funding conditions. Science and Public Policy, v. 33, n. 7, p. 489–504, 2006.

LYNCH, R.; BAINES, P. Strategy development in UK higher education: towards resource-based competitive advantages. Journal of Higher Education Policy & Management, v. 26, n. 2, p. 171–187, 2004.

MAINARDES, E.; FERREIRA, J. M.; TONTINI, G. Creating a competitive advantage in Higher Education Institutions: proposal and test of a conceptual model. International Journal of Management in Education, v. 5, n. 2/3, p. 145, 2011.

MARIZ, R.; FERREIRA, P.; GRENDELLE, R. Governo suspende bolsas do CNPq para pós-graduação no exterior. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/governo-suspende-bolsas-do-cnpq-para-pos-graduacao-no-exterior-19018106>. Acesso em: 24 jan. 2017.

MOHRMAN, K.; MA, W.; BAKER, D. The research university in transition: The emerging global model. Higher Education Policy, v. 21, n. 1, p. 5–27, 2008.

NAIDOO, V. From ivory towers to international business: are universities export ready in their recruitment of international students? Journal of Studies in International Education, 2008.

PLATAFORMA SUCUPIRA. Dados Cadastrais dos Programas. Disponível em: <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/listaPrograma.jsf>. Acesso em: 8 jun. 2016.

RHOADES, G.; SLAUGHTER, S. Academic capitalism in the new economy: Challenges and choices. American Federation of Teachers, p. 37–59, 2010.

RIGHETTI, S. Corte na área científica deve afetar até bônus de produtividade docente. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2016/10/1825545-corte-na-area-cientifica-deve-afetar-ate-bonus-de-produtividade-docente.shtml>. Acesso em: 24 jan. 2017.

SKOIE, H. Basic research—a new funding climate? Science and Public Policy, v. 23, n. 2, p. 66–75, 1996.

WERNERFELT, B. A resource‐based view of the firm. Strategic management journal, v. 5, n. 2, p. 171–180, 1984.

WERNERFELT, B. The resource‐based view of the firm: Ten years after. Strategic management journal, v. 16, n. 3, p. 171–174, 1995.

WILLIAMS, S. D. A Strategic Resource-Based View of Higher Education Institutions’ Resources. International Journal of Business and Social Science, v. 5, n. 12, 2014.

Downloads

Publicado

2019-09-02

Edição

Seção

Artigos