Pedagogias antropológicas transgressoras: (re)fazendo antropologia a partir da costura de cadernos de campo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2024.e93946

Palavras-chave:

Metodologia, Antropologia, Educação, Transgredir

Resumo

O objetivo do artigo foi problematizar alguns dos processos de formação em antropologia para cientistas sociais e antropólogos(as) no ensino superior a partir de experiências distintas, mas complementares entre si, vivenciadas por duas educadoras-antropólogas em suas respectivas instituições de ensino. O artigo aborda como a partir de uma atividade pedagógica transgressora, a costura de cadernos de campo, as educadoras-antropólogas puderam trabalhar noções como etnografia, trabalho de campo, subjetividades, autoridade etnográfica e diferenças. Os relatos apresentados foram produzidos na retomada das atividades presenciais em duas universidades públicas brasileiras, a UnB e a UFPI, logo após a instauração de medidas de flexibilização da pandemia e retomada dos contatos presenciais em sala de aula. Assim, é possível perceber que a Antropologia, assim como os processos de ensino-aprendizado, podem ser compreendidos como atividades artesanais, uma vez que a artesanalidade do processo etnográfico não está presente apenas no campo, mas também em sala de aula.

Biografia do Autor

Ana Clara Damásio, Universidade Nacional de Brasília

Doutoranda na Universidade de Brasília (UnB) pelo Departamento de Antropologia (DAN). É integrante do MOBILE – Laboratório de Etnografia das Circulações e Dinâmicas Migratórias (DAN/UnB) e do Laboratório de Ensino de Sociologia Lélia Gonzalez (SOL-UnB). Atualmente é Editora Associada da Revista Novos Debates: Fórum de Antropologia. Possui interesse nos diálogos que perpassam escravidão, relações raciais, família, parentesco, ensino de sociologia, migração e metodologia antropológica. Também é a criadora do podcast “Antro,comofaz?”,projetoquebuscadiscutirmetodologiaantropológicademaneiradescomplicadaeacessível.

Mariane da Silva Pisani, Universidade Federal do Tocantins.Professora Adjunta-A.

Bacharela em Ciências Sociais, Mestra e Doutora em Antropologia Social. É Professora Adjunta na Universidade Federal do Piauí (UFPI) onde coordena o Grupo de Pesquisa em Antropologia Social e Interseccionalidade (ANTROPOS). É coordenadora da Comissão Editorial de Periódicos Científicos da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e Editora-Chefe da Revista Novos Debates (ABA). É vice-coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) Estudos do Futebol Brasileiro. Desenvolve pesquisas sobre Estudos de Gênero e Sexualidades, Marcadores Sociais da Diferença e Antropologia dos Esportes.

Referências

BONETTI, Alinne; FLEISCHER, Soraya (org.). Entre saias justas e jogos de cintura. Florianópolis: Editora Mulheres, 2007.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

EILBAUM, Lucía et al. Tão Longe, Tão Perto: Treinando o olhar etnográfico nos limites de casa durante a pandemia e o ensino remoto. Revistas Novos Debates, [s.l.], v. 8, n. 2, E8209, 2022.

FLEISCHER, Soraya; CHEMIN, Irene (org.). O podcast como recurso didático na Antropologia. Brasília: Departamento de Antropologia, 2022. (Série Antropologia, n. 471).

GAMA, Fabiene; FLEISCHER, Soraya. Na cozinha da pesquisa: relato de experiência na disciplina “Métodos e Técnicas em Antropologia Social”. Cadernos de Arte e Antropologia, [s.l.], v. 5, n. 2, p.109-127, 2016.

GEERTZ, Clifford. Vidas e obras: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

GOLDMAN, Marcio. “Os Tambores dos Mortos e os Tambores dos Vivos. Etnografia, Antropologia e Política em Ilhéus, Bahia”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 46, n. 2, 2003.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Cipolla: São Paulo: 2013.

INGOLD, Tim. “Sobre levar os outros a sério”. In: INGOLD, Tim. Antropologia – Para que serve? Tradução de Beatriz Silveira Castro Filgueiras. Petrópolis: Vozes, 2019. p. 7-19.

INGOLD, Tim. “Antropologia para o futuro” In: INGOLD, Tim. Antropologia – Para que serve? Tradução de Beatriz Silveira Castro Filgueiras. Petrópolis: Vozes, 2019. p. 60-72.

LEACH, Edmund. Repensando a Antropologia. São Paulo: Perspectiva, 2010. MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, [1922], 1978.

MALINOWSKI, Bronislaw. Um diário no Sentido Estrito do Termo. São Paulo: Editora Record, 1997.

MANICA, Daniela Tonelli; PERES, Milena; FLEISCHER, Soraya (org.). No ar: Antropologia, histórias em podcast. Campinas, SP; Brasília, DF: Pontes Editorial; ABA Publicações, 2022. p. 1-163.

NORONHA, Ana; FLEISCHER, Soraya. Podcast, educação e antropologia: Uma revisão bibliográfica (2019-2022). Revista Café Com Sociologia, [s.l.], v 11, p. 1-16, 2022.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 20, p.377- 391, 2014.

PEIRANO, Mariza. Em favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

TIBAU, Anderson; OLIVEIRA, Amurabi. Dossiê Antropologia e Educação: desafios interdisciplinares. Revista Eletrônica Interações Sociais, [s.l.], v. 5, n. 2, 2021.

Downloads

Publicado

2024-01-25

Como Citar

DAMÁSIO, Ana Clara; PISANI, Mariane da Silva. Pedagogias antropológicas transgressoras: (re)fazendo antropologia a partir da costura de cadernos de campo. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 26, n. 1, 2024. DOI: 10.5007/2175-8034.2024.e93946. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/93946. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Novos Debates na formação em antropologia