O oligopólio privado das comunicações como herança arbitrária do Estado brasileiro

Autores

  • Carlos Augusto Locatelli UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2009v6n2p161

Palavras-chave:

Comunicação, Políticas de comunicação, Regulação, Communication, Communication policies, Regulation

Resumo

 

Analisa a trajetória do setor de mídia no Brasil, detendo-se particularmente nas relações entre o Estado e as empresas privadas que se tornaram os principais agentes do sistema de comunicação. Procura demonstrar que a atual estrutura de mercado e a dinâmica da concorrência foram conformadas, em grande parte, pela forte intervenção do Estado. Além de optar por um modelo privado, o Estado construiu ao longo do tempo diversos mecanismos que limitaram a livre concorrência e praticamente determinaram, a priori, vencedores e vencidos. Entende a atual estrutura de oligopólio privado como uma herança arbitrária para com a sociedade. Diante disso, em uma linha de advogacy, credita ao Estado um papel ativo no processo de reconfiguração do setor, sobretudo a partir da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), no sentido de apresentar posições e executar ações que contribuam para corrigir as distorções historicamente criadas.

Biografia do Autor

Carlos Augusto Locatelli, UFSC

Professor do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Downloads

Publicado

2009-11-20