De Boni a Boninho: A Mudança Estética e Conceitual da TV Brasileira para Atrair a Classe Média

Autores

  • Flavio Porcello UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2013v10n2p431

Palavras-chave:

Jornalismo, Mídia, Comunicação, Jornalism, Media, Communication

Resumo

 

O presente trabalho objetiva fazer uma reflexão crítica sobre as mudanças que estão ocorrendo na televisão brasileira com a entrada de uma nova e expressiva camada de pessoas ao mercado de consumo. De 2005 a 2011 a chamada Classe Média cresceu de 34% para 54% da população, atingindo a marca de 103 milhões de habitantes. E um reflexo direto deste aumento que afeta imediatamente o consumo de bens é a estratégia da TV aberta para atrair o mercado que se abre, buscando elevar a sua audiência. Nosso olhar será direcionado para o discurso, a linguagem verbal não verbal e as estratégias adotadas pela televisão para atrair a atenção e aumentar o consumo da chamada Nova Classe Média (NCM). Bauman, Moretzsohn, Ramos, França, Fechine e Wolton, entre outros autores, nos ajudarão a iluminar teóricamente os caminhos da análise que aqui pretendemos fazer.

 

Biografia do Autor

Flavio Porcello, UFRGS

Jornalista diplomado pela UFRGS e Doutor em Comunicação Social pela PUCRS. Atualmente é professor adjunto IV nos cursos de graduação em Jornalismo e pós-graduação em Comunicação e Informação da UFRGS e pesquisador da área de Telejornalismo, com ênfase nas relações entre TV e Poder.

Downloads

Publicado

2013-10-11

Edição

Seção

Núcleo Temático