Imprensa e Golpe de 1964: entre o silêncio e as rememorações de fatias do passado

Marialva Carlos Barbosa

Resumo


 


O texto procura mostrar a atuação da imprensa no período ditatorial brasileiro inaugurado em 1964, no qual ações de cooptação conviveram, lado a lado, com estratégias de resistência. Aborda as estratégias memoráveis dos jornalistas que, no futuro, constroem enredos narrativos sobre a ação da imprensa de forma a produzir uma memória comum do grupo, privilegiando determinadas imagens nas quais se sobressaem os valores profissionais. Mostrando a complexidade das relações entre imprensa e poder durante o período, enfatiza ainda que alguns processos históricos de transformação do jornalismo brasileiro – exacerbação das estratégias de modernização da imprensa e valorização do jornalismo interpretativo – têm como momento deflagrador a adoção de novos critérios redacionais e editoriais implantados em função da censura.


Palavras-chave


Imprensa; Jornalistas; Memória; Ditadura Militar

Texto completo:

artigo


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2014v11n1p7

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons