Gênero e Deficiência: uma análise da cobertura fotográfica dos Jogos Paralímpicos de 2012

Tatiane Hilgemberg Figueiredo

Resumo


 

Este trabalho tem como objetivo analisar as narrativas culturais (fotografias e legendas) do site Globoesporte.com durante os Jogos Paralímpicos de 2012, a fim de determinar a representação social da mulher atleta com deficiência; levando em consideração que o esporte, como prática social moderna, foi construído como masculino, e que à atleta paralímpica associa-se o estereótipo triplo: mulher, com deficiência, assexuada. Adotamos uma metodologia composta de análise de conteúdo e análise estatística dos dados quantitativos. Os resultados obtidos nos levam a concluir que as atletas são representadas de forma a corresponderem ao típico ideal feminino, contudo ocupando um lugar diferente, na mídia escolhida, das atletas sem deficiência.


Palavras-chave


Gênero; Mídia; Esporte Paralímpico

Texto completo:

artigo


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2014v11n2p484

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons