O entretenimento nas narrativas políticas: considerações a partir de Pixuleko na Folha de S. Paulo

Clara Bezerril Câmara

Resumo


Este artigo propõe uma reflexão a respeito do papel do entretenimento nas narrativas jornalísticas sobre política. Para tal, apresenta-se um debate teórico, articulado com base nas considerações que Street (2003) e Van Zoonen (2005) fazem sobre o imbricamento da política com a cultura popular. No caminho argumentativo aqui sugerido, também é contemplada uma discussão a respeito das barreiras que são sustentadas entre hard e soft news, com auxílio de trabalhos que pensam o jornalismo em articulação com a noção de narrativa. O caso das aparições de Pixuleko, boneco inflável do ex-presidente Lula, na Folha de S. Paulo, serve de ilustração para o desafio da seguinte argumentação: observar o caráter narrativo das notícias pode lançar luz ao desafio de se analisar um contexto jornalístico em que as fronteiras entre entretenimento e informação encontram-se cada vez menos aparentes. Seguindo a linha de argumentação, e aliando o debate teórico com o exemplo proporcionado por Pixuleko, afirma-se ser urgente considerar o entretenimento na narrativa jornalística de política, não em uma chave de dissonância, ou oposição, mas enquanto elemento constitutivo.


Palavras-chave


Jornalismo político; Entretenimento; Cultura popular

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2018v15n1p152

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons