Contrastes da cobertura jornalística audiovisual da greve geral de 28 de abril no Brasil pelos media tradicional e alternativo

Kamila Bossato Fernandes

Resumo


A cobertura jornalística de protestos populares tende a enfatizar aspetos negativos do evento, como demonstra o paradigma do protesto. Por sua vez, a fragmentação do ecossistema midiático tem feito com que outras narrativas disputem as representações acerca deste tipo de acontecimento. Foi o que aconteceu na greve geral realizada no Brasil no dia 28 de abril de 2017. Neste estudo, proponho uma análise multimodal de reportagens produzidas por dois dos principais telejornais brasileiros e quatro meios alternativos online. O objetivo é perceber as estratégias discursivas empregadas por cada um deles para construir narrativas jornalísticas audiovisuais. Entre as conclusões, nota-se que os meios tradicionais buscaram realçar sua legitimidade a partir das vozes de pessoas comuns, enquanto os meios alternativos fortaleceram fontes contra-oficiais, sobretudo sindicalistas.


Palavras-chave


Paradigma do protesto; Jornalismo; Jornalismo alternativo

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2018v15n2p72

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons