Narratividade jornalística e a inferência das redes sociais na produção de conteúdo do site de notícias HuffPost Brasil

Aline Tainá Amaral Horn

Resumo


Este artigo visa investigar o tratamento do conteúdo jornalístico na edição brasileira do pure player HuffPost, sobre um caso de assédio sexual sofrido por uma jornalista, e verificar como as redes sociais serviram de matéria-prima para a produção das notícias na cobertura desse acontecimento. O referencial teórico está embasado no conceito de gatewatching (BRUNS, 2011) e no fenômeno de contra-agendamento (SILVA, 2008), a partir da compreensão de que o uso das redes sociais nas redações alterou as práticas jornalísticas (BE DIAF, 2013), e que o público passa a influenciar a produção jornalística (ESTIENNE, 2007). A análise qualitativa das notícias – coletadas entre junho e novembro de 2016 – se ancora nas perspectivas teórico-metodológicas de análise pragmática da narrativa jornalística (MOTTA, 2008). Conclui-se que a cobertura jornalística enfatiza a desaprovação da opinião pública sobre o caso, e que as campanhas das redes sociais encadeiam ritmo e prolongam a narrativa jornalística.


Palavras-chave


Análise pragmática da narrativa jornalística; Redes sociais; Gatewatching

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAJI. Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Gênero no jornalismo brasileiro. São Paulo: 2017. Disponível em: https://www.mulheresnojornalismo.org.br/. Acesso em: 17 nov. 2018.

ACKERMANN, P. L’exemple du HuffingtonPost.fr. In: CHARON, J.; PAPET, J. Le journalism en questions: Réponses internationales. Paris: L’Harmattan, 2014.

BADOAURD, R. Le désenchantement de l’Internet. Limoges: FYP éditions, 2017.

BE DIAF, L. Journalistes 2.0: usages et dilemmes des journalists contemporains. Paris: L’Harmattan, 2014.

BATISTA, P. O que é o movimento #MeToo? (2018). Disponível em: https://www.estudopratico.com.br/o-que-e-o-movimento-metoo/. Acesso em: 10 ago. 2018.

BRUNS, A. Gatekeeping, Gatewatching, realimentação em tempo real: novos desafios para o Jornalismo. Brazilian Journalism Research, v. 7, n°2, 119-141, 2011. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/342. Acesso em: 10 nov. 2018.

CAJAZEIRA, P.; AZEVEDO, F. O jornalismo televisivo nas redes sociais: As relações comunicacionais entre o mito e o fã. Sur le journalisme, About journalism, Sobre jornalismo [En ligne], Vol 4, n°2, 2015. Disponível em: http://surlejournalisme.com/rev. Acesso em: 20 abril. 2018.

CANAVILHAS, J.; SEIXAS, L. Jornalismo e dispositivos móveis. Sur le journalisme, About journalism, Sobre jornalismo, v. 3, n°2, 2-9, 2014. Disponível em: http://surlejournalisme.com/rev/index.php/slj/article/view/178. Acesso em: 20 abril. 2018.

DALLA COSTA, R. M.; HORN, A.; DIAS, L. Os desafios do ensino e o impacto da era digital nas novas práticas jornalísticas. Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo, Brasília, v. 6, n. 19, p. 204-218, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.fnpj.org.br/rebej/ojs/index.php/rebej/article/view/469/289. Acesso em: 11 nov. 2018.

ESTIENNE, Y. Le journalisme après Internet. Paris: L’Harmattan, 2007.

HuffPost Brasil. #ErrarÉHumanoPersistirNoErroÉBiel: Carreira de Biel é 'enterrada' no Twitter. São Paulo: HuffPost Brasil, 2016. Disponível em: https://www.huffpostbrasil.com/2016/08/02/errar-humanopersistirnoerro-biel-carreira-de-biel-e-enterrada_a_21695113/. Acesso em: 11 jun. 2018.

LE CAM, F.; PEREIRA, F. A comparação da identidade dos jornalistas online em suas relações com os públicos no Brasil e na França. Observatorio (OBS*) Journal, vol.11, 60-82, 2017. Disponível em: http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/868. Acesso em: 21 mai. 2018.

MARTINELLI, A. Biel transformou frase que reforça estupro em música. E a resposta foi a #BielRespeiteAsMulheres (2016). Disponível em: https://www.huffpostbrasil.com/2016/07/28/biel-transformou-frase-que-reforca-estupro-em-musica-e-a-respos_a_21694579/. Acesso em: 11 ago. 2018.

MITOZO, I.; MASSUCHIN, M.; CARVALHO, F. Debate político-eleitoral no Facebook: os comentários do público em posts jornalísticos na eleição presidencial de 2014. Opinião Pública, Campinas, vol. 23, nº 2, mai-ago, 2017.

MORAGAS, N. O texto jornalístico do twitter: nomeação interativa e creditação interativa se apresentam como novas competências numa análise de The Guardian e El País. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação de Comunicação e Culturas Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

MOTTA, L.G. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, C.; BENETTI, M. (Orgs). Metodologia de pesquisa em Jornalismo. 2 ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008.

SILVA, L.M. Sociedade, esfera pública e agendamento. In: LAGO, C.; BENETTI, M. (Orgs). Metodologia de pesquisa em Jornalismo. 2 ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p169

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons