Criticando a TV: considerações sobre o papel da crítica na construção dos gêneros televisivos

Fernanda Maurício Silva

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir a produtividade da crítica especializada para a construção dos gêneros televisivos e sua historicidade tomando como principal referência as contribuições dos estudos culturais para análise da televisão. Tendo como objeto empírico o programa Fantástico: show da vida (TV Globo), o artigo analisa as críticas publicadas em jornais e revistas nacionais ao longo de suas três primeiras décadas buscando mostrar as práticas discursivas de definição, interpretação e avaliação do programa, bem como as especificidades da crítica desse programa.


Palavras-chave


Crítica; Historicidade da televisão; Gêneros televisivos; Fantástico

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUIAR, P. Programa de Plástico. Jornal de Brasília, 28 jan. 1983, disponível em http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=5271&PageNo=1, acesso 25 set. 2018.

ANDRADE, V. A vida é um show. Jornal do Brasil, 08 ago. 1973. Disponível em: Disponível em : http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=881&PageNo=1, acesso 25 set. 2018

ANDRADE, V. Um aniversário feliz. Jornal do Brasil, 07 ago. 1974. Disponível em: http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=946&PageNo=1, acesso 25 set. 2018.

BAPTISTA, M. Fantástico. Jornal do Brasil, 07 ago. 1983. Disponível em http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=4807&PageNo=1, acesso 25 set. 2018.

DUTRA, M.H. Data histórica pela audiência. Jornal do Brasil, 07 ago. 1983. Disponível em http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=4807&PageNo=1, acesso 25 set. 2018.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FREIRE FILHO, J. Por uma agenda de investigação da história da TV no Brasil. In: RIBERIO, A.P.; HERSCHMANN, M (orgs.). Comunicação e história: interfaces e novas abordagens. Rio de Janeiro: Mauad X, Globo Universidade, 2008, pp. 127-144.

GOMES, Itania M. Gênero televisivo como categoria cultural: um lugar no centro do mapa das mediações de Jesús Martín-Barbero. Revista Famecos (Impresso), v. 18, 2011a, pp. 111-130.

GUTMANN, J. Quando ruptura é convenção: O programa Gordo a Go-Go como espaço de experiência do talk show. Contracampo (UFF). N. 31. Dez/Mar., 2014.

JOHNSON, Catherine. Negotiating value and quality in television historiography. In: WHEATLEY, Helen (org.). Re-viewing television history: critical issues in television historiography. London: I.B. Tauris, 2007.

MAXIMO, J. Fantástico muda de cara para ficar ameno. Folha de S. Paulo, 08 set. 1993. Disponível em http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=22819&PageNo=2, acesso 25 set. 2018

MITTELL, Jason. Genre and Television. From Cop Shows to Cartoons in American Culture. London: Routledge, 2004.

MITTELL, J. Evaluation. In: Complex TV: the poetics of contemporary television storytelling. New York: New York University Press, 2015, pp. 206-232.

RITO, L. A fuga da rotina. Revista Veja, 15 ago. 1973, p. 76.

SILVA, F, M.; GUTMANN, J. F. . Sobre textos e paratextos: construções metodológicas para análise da história cultural do talk show no Brasil. In: CHAMBAT-HOUILLON, Marie-France; COHEN, Evelyn; GOMES, Itania Maria Mota. (Org.). Estudos de Televisão Brasil França. 1ed.Salvador: EDUFBA, 2015, v. 1, p. 72-88.

SILVA, F. M. Gênero televisivo e história cultural: pressupostos para uma análise do talk show. Texto apresentado no XXI Encontro da Compós, Juiz de Fora, 12 a 15 jun. 2012.

SILVA, F. M. Quando a crítica encontra a TV: uma abordagem cultural para a análise da crítica televisiva. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 23, n. 2, mai/ago. 2016

TÁVOLA, A. Um ano Fantástico. O Globo, 08 ago. 1974. Disponív em: http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/mostraregistro.asp?CodRegistro=944&PageNo=1, acesso 25 set. 2018

WILLIAMS, R. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011b.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p21

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons