A mediação do outro na tela da TV: desafios e limites da crítica midiática

Paula Guimarães Simões, Lucas Afonso Sepulveda

Resumo


A proposta do artigo é compreender a mediação do outro e o potencial crítico desse processo a partir do debate sobre o racismo em um programa de TV que “experimenta” com o cotidiano, o Vai fazer o quê? (TV Globo). Inicialmente, investigamos o que a representação construída em um dos episódios do programa nos afirma sobre o contexto midiático-social contemporâneo e refletimos sobre a forma como a própria narrativa que tenta criticar o racismo brasileiro acaba sendo atravessada, ela própria, por ideologias racistas. Por fim, questionamos os limites éticos de um “experimento” televisivo que coloca sujeitos comuns involuntariamente em situações de sofrimento e tentamos apreender o papel do programa na crítica que realiza sobre o racismo em nossa sociedade.


Palavras-chave


Televisão; Ética; Racismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


BATISTA, José Roniere Morais et al. Negros e nordestinos: similaridades nos estereótipos raciais e regionais. Rev. psicol. polít., São Paulo, v. 14, n. 30, p. 325-345, ago. 2014.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Psicologia social do racismo. Petrópolis: Vozes, 2002.

BOBBIO, Noberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DEWEY, John. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

ESQUIROL, Josep Maria. O respeito ou o olhar atento. Belo Horizonte: Autêntica. 2008.

FRANÇA, Vera França. A Televisão Porosa: Traços e Tendências. In: FREIRE FILHO, João (Org.). A TV em transição: tendências de programação no Brasil e no mundo. Porto Alegre: Sulina, 2009, p. 27-52.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social. Petrópolis: Vozes, 2012.

GUIMARÃES, Laura C.; GUIMARÃES-SILVA, Pâmela. Contribuições teórico-conceituais das intelectuais negras para pensar a comunicação. In: Anais do XXVII Encontro Anual da Compós, Belo Horizonte, 2018. p. 1-19.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

hooks, bell. Intelectuais negras. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464, jan. 1995.

JOAS, Hans. A sacralidade da pessoa: nova geologia dos direitos humanos. Editora Unesp, 2012.

MENDONÇA, R.; SIMÕES, P. G. Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, p. 187-201, 2012.

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Racismo no Brasil: quando inclusão combina com exclusão. In: BOTELHO, André; _______ (Org.). Cidadania, um projeto em construção: minorias, justiça e direitos. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Maria Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SERELLE, Marcio. A ética da mediação: aspectos da crítica da mídia em Roger Silverstone. In: Matrizes, São Paulo. V. 10, Nº 2, maio/agosto, 2016.

SEYFERTH, Giralda. A invenção da raça e o poder discricionário dos estereótipos. In: Anuário Antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

SILVERSTONE, Roger. Complicity and collusion in the mediation of everyday life. New Literary History, 33 (4), 2002b, pp. 761-780.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia. São Paulo: Loyola, 2002a.

TECHIO, Elza Maria. Estereótipos sociais como preditores das relações intergrupais. In: ______; LIMA, Marcus Eugênio Oliveira (Org.), Cultura e produção das diferenças: estereótipos e preconceitos no Brasil, Espanha e Portugal. Brasília: Technopolitik, 2011.

VIANA, Silvia. Rituais de sofrimento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p31

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons