Pensando o longform à luz das sete características do webjornalismo: um estudo de caso de uma série de O Globo

Tamara de Souza Campos

Resumo


O tema do presente artigo é o longform, que envolve uma extensão de texto e profundidade tanto na apuração quanto na fruição do leitor, se diferenciando da narrativa padrão do online, com fotos, vídeos, infográficos, animações e jogos. O objetivo é, além de conceituar esse novo formato, buscar relacioná-lo às sete características do webjornalismo, com a finalidade de compreender quais aspectos são mais presentes. A metodologia empregada, além de revisão bibliográfica acerca da categoria longform, envolve um estudo de caso da série “Um Século de Escassez”, publicada no site de O Globo, em março de 2018, cujo mote foi desconstruir o mito da abundância da água no Brasil. Duas entrevistas realizadas com uma editora executiva e uma repórter do núcleo de matérias especiais que atuaram no longform que integra o corpus de análise complementam a metodologia adotada. Das sete características integrantes do webjornalismo as mais percebidas foram a interatividade, o hiperlink e a multimidialidade, indo ao encontro da literatura sobre longform. A característica memória, que usualmente não é lembrada como um elemento central no longform, teve relativo destaque no caso em questão.

 

Palavras-chave


Longform; Webjornalismo; Gênero textual

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMADO, J. O projeto ‘Snow Fall’ e o futuro do jornalismo. Observatório da Imprensa, Rio de Janeiro, 14. mar. 2013. Disponível em: . Acesso em 12.mar.2017.

BACCIN, A. A narrativa hipermídia longform no jornalismo contemporâneo. In: SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 13., Campo Grande. Anais... Campos Grande: UFMS, 2015. Disponível em: < https://docplayer.com.br/39897063-A-narrativa-hipermidia-longform-no-jornalismo-contemporaneo.html>. Acesso em: jun.2018.

_____. A reportagem no ambiente digital - da multimídia à hipermídia. Ciberjor: Congresso Internacional de Ciberjornalismo, 8., Campos Grande. Anais...Campo Grande: UFMS, 2017. Disponível em:< http://www.ciberjor.ufms.br/ciberjor8/files/2017/08/Artigo_final_CIBERJOR_2017.pdf>. Acesso em dez.2018.

BARBOSA, S. Jornalismo Digital de terceira geração. Universidade da Beira Interior: Covilhã, 2007.

BORGES, J. Webjornalismo: política e jornalismo em tempo real. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

BRADSHAW, P. Instantaneidade: efeito da rede, jornalistas mobile, consumidores ligados e o impacto no consumo, produção e distribuição. In: CANAVILHAS, J. (Org.). Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014.

CANAVILHAS, J. (Org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. Paz e Terra. 1999.

FIDALGO, A. A resolução semântica no jornalismo online. In: BARBOSA, S. Jornalismo Digital de terceira geração. Universidade da Beira Interior: Covilhã, 2007, p. 101-110.

GONDAR, J. Lembrar e esquecer: desejo de memória. In COSTA, I.T.M. e GONDAR, J. (orgs). Memória e espaço. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000.

_____. Cinco proposições sobre memoria social In Morpheus: Estudos Interdisciplinares em Memória Social. Ed. Especial Por que Memória Social, v.9, n.15, 2016, p.19-40.

JENKINS, H. Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e novos meios de comunicação. São Paulo: Aleph, 2009.

LONGHI, R. Infografia online: narrativa intermídia. Estudos em Jornalismo e Mídia, Santa Catarina, n. 1. Ano VI. p. 187-196, jan. 2009. Disponível em: Acesso em: 1 dez. 2017.

_____. O turning point da grande reportagem multimídia1/The" turning point" of the multimedia large reportage. Revista Famecos, v. 21, n. 3, p. 897, 2014.

Longhi, R e Winques, K. O lugar do longform no jornalismo online. Qualidade versus quantidade e algumas considerações sobre o consumo. Brazilian Journalism Research, v.1, n1, p.11-127, 2015.

LEMOS, André. Anjos interativos e retribalização do mundo. Sobre interatividade e interfaces digitais. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/interac.html. Arquivo capturado em 07.12.2018.

MACHADO, Irene. Digitalização. Linguagem. Discurso. As Mediações Dialógicas Possíveis. Lumina. Juiz de Fora: Facom/UFJF, v.4, n.2, p. 19-48, jul./dez 2001.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. 1a reimpressão. Curitiba: Criar Edições, 2007.

MARTINEZ, A. A construção da notícia em tempo real. In: FERRARI, Pollyana (org.). Hipertexto, hipermídia: as novas ferramentas da comunicação digital. São Paulo: Contexto, 2007. p.13-27.

PALACIOS, M. Memória: jornalismo, memória e história na era digital. In: CANAVILHAS, J. (org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014. p.89-110.

SALAVERRIA, R. Multimedialidade: Informar para cinco sentidos In: CANAVILHAS, J. (org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014. p.25-52.

SCARTOZZONI, Bruno. Mídias Sociais, Storytelling e Crossmedia, set. 2011. Disponível em:. Acesso em: 15 nov. 2018.

SHARP, N. The future of longform. The Columbia Journalism Review, 9 dez. 2013. Disponível em: Acesso em 14 mai. 2015.

O século da escassez. O Globo, Rio de Janeiro, 22 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em 06 nov.2018.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p157

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons