Pensando o longform à luz das sete características do webjornalismo: um estudo de caso de uma série de O Globo

Autores

  • Tamara de Souza Campos Universidade Estácio de Sá (UNESA)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p157

Palavras-chave:

Longform, Webjornalismo, Gênero textual

Resumo

O tema do presente artigo é o longform, que envolve uma extensão de texto e profundidade tanto na apuração quanto na fruição do leitor, se diferenciando da narrativa padrão do online, com fotos, vídeos, infográficos, animações e jogos. O objetivo é, além de conceituar esse novo formato, buscar relacioná-lo às sete características do webjornalismo, com a finalidade de compreender quais aspectos são mais presentes. A metodologia empregada, além de revisão bibliográfica acerca da categoria longform, envolve um estudo de caso da série “Um Século de Escassez”, publicada no site de O Globo, em março de 2018, cujo mote foi desconstruir o mito da abundância da água no Brasil. Duas entrevistas realizadas com uma editora executiva e uma repórter do núcleo de matérias especiais que atuaram no longform que integra o corpus de análise complementam a metodologia adotada. Das sete características integrantes do webjornalismo as mais percebidas foram a interatividade, o hiperlink e a multimidialidade, indo ao encontro da literatura sobre longform. A característica memória, que usualmente não é lembrada como um elemento central no longform, teve relativo destaque no caso em questão.

 

Biografia do Autor

Tamara de Souza Campos, Universidade Estácio de Sá (UNESA)

Professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Estácio de Sá (UNESA). Doutora em Memória Social pela UniRio. E-mail: tamara.campos86@gmail.com

Referências

AMADO, J. O projeto ‘Snow Fall’ e o futuro do jornalismo. Observatório da Imprensa, Rio de Janeiro, 14. mar. 2013. Disponível em: <http://migre.me/oHdjX>. Acesso em 12.mar.2017.

BACCIN, A. A narrativa hipermídia longform no jornalismo contemporâneo. In: SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 13., Campo Grande. Anais... Campos Grande: UFMS, 2015. Disponível em: < https://docplayer.com.br/39897063-A-narrativa-hipermidia-longform-no-jornalismo-contemporaneo.html>. Acesso em: jun.2018.

_____. A reportagem no ambiente digital - da multimídia à hipermídia. Ciberjor: Congresso Internacional de Ciberjornalismo, 8., Campos Grande. Anais...Campo Grande: UFMS, 2017. Disponível em:< http://www.ciberjor.ufms.br/ciberjor8/files/2017/08/Artigo_final_CIBERJOR_2017.pdf>. Acesso em dez.2018.

BARBOSA, S. Jornalismo Digital de terceira geração. Universidade da Beira Interior: Covilhã, 2007.

BORGES, J. Webjornalismo: política e jornalismo em tempo real. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

BRADSHAW, P. Instantaneidade: efeito da rede, jornalistas mobile, consumidores ligados e o impacto no consumo, produção e distribuição. In: CANAVILHAS, J. (Org.). Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014.

CANAVILHAS, J. (Org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. Paz e Terra. 1999.

FIDALGO, A. A resolução semântica no jornalismo online. In: BARBOSA, S. Jornalismo Digital de terceira geração. Universidade da Beira Interior: Covilhã, 2007, p. 101-110.

GONDAR, J. Lembrar e esquecer: desejo de memória. In COSTA, I.T.M. e GONDAR, J. (orgs). Memória e espaço. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000.

_____. Cinco proposições sobre memoria social In Morpheus: Estudos Interdisciplinares em Memória Social. Ed. Especial Por que Memória Social, v.9, n.15, 2016, p.19-40.

JENKINS, H. Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e novos meios de comunicação. São Paulo: Aleph, 2009.

LONGHI, R. Infografia online: narrativa intermídia. Estudos em Jornalismo e Mídia, Santa Catarina, n. 1. Ano VI. p. 187-196, jan. 2009. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/jornalismo/article/view/1984-6924.2009v6n1p187/10423> Acesso em: 1 dez. 2017.

_____. O turning point da grande reportagem multimídia1/The" turning point" of the multimedia large reportage. Revista Famecos, v. 21, n. 3, p. 897, 2014.

Longhi, R e Winques, K. O lugar do longform no jornalismo online. Qualidade versus quantidade e algumas considerações sobre o consumo. Brazilian Journalism Research, v.1, n1, p.11-127, 2015.

LEMOS, André. Anjos interativos e retribalização do mundo. Sobre interatividade e interfaces digitais. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/interac.html. Arquivo capturado em 07.12.2018.

MACHADO, Irene. Digitalização. Linguagem. Discurso. As Mediações Dialógicas Possíveis. Lumina. Juiz de Fora: Facom/UFJF, v.4, n.2, p. 19-48, jul./dez 2001.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. 1a reimpressão. Curitiba: Criar Edições, 2007.

MARTINEZ, A. A construção da notícia em tempo real. In: FERRARI, Pollyana (org.). Hipertexto, hipermídia: as novas ferramentas da comunicação digital. São Paulo: Contexto, 2007. p.13-27.

PALACIOS, M. Memória: jornalismo, memória e história na era digital. In: CANAVILHAS, J. (org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014. p.89-110.

SALAVERRIA, R. Multimedialidade: Informar para cinco sentidos In: CANAVILHAS, J. (org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom, 2014. p.25-52.

SCARTOZZONI, Bruno. Mídias Sociais, Storytelling e Crossmedia, set. 2011. Disponível em:<http://www.midiatismo.com.br/midias-sociais-storytelling-e-crossmedia-entrevista-com-bruno-scartozzoni>. Acesso em: 15 nov. 2018.

SHARP, N. The future of longform. The Columbia Journalism Review, 9 dez. 2013. Disponível em: <http://www.cjr.org/behind_the_news/longform_conference.php> Acesso em 14 mai. 2015.

O século da escassez. O Globo, Rio de Janeiro, 22 mar. 2018. Disponível em: <https://infograficos.oglobo.globo.com/brasil/brasil-sem-agua-o-seculo-da-escassez.html>. Acesso em 06 nov.2018.

Downloads

Publicado

2019-11-11