Identidade como conceito articulador para os estudos de recepção em jornalismo

Lourdes Ana Pereira Silva, Valquiria Michela John, Felipe da Costa, Erika Oikawa

Resumo


Este artigo objetiva analisar a noção de identidade a partir de cinco dissertações que elegeram o Jornal Nacional como objeto de estudo e a identidade como categoria de análise no intervalo de 2010-2015. Tais dissertações são oriundas dos dados empíricos da pesquisa intitulada “Meios e Audiências III: reconfigurações dos estudos de recepção e consumo midiático no Brasil” (JACKS et al, 2017). Adotou-se a análise bibliométrica para identificar no corpus o que de fato está em jogo na questão das identidades.  Como resultado, constatou-se que a noção conceitual de identidade adotada, reside, sobretudo, naquela que a concebe como uma espécie de ação narrativa. A narrativa operando como uma representação de mundo que se insere no tempo e no espaço. A narrativa como uma ferramenta, capaz de organizar a relação entre o sujeito e o mundo em termos de uma experiência compreensível. 

Palavras-chave


Identidade; Narrativa; Estudos de recepção

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas: Reflexões sobre a origem e a expansão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

BARA, G. F. Para além do “boa noite”: os apresentadores de telejornais e o processo de identificação com o público. 2012. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecch. Tradução: Carlos Vicente Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BERGER, Christa. Jornalismo na Comunicação. In: WEBER, Maria Helena; BENTZ, Ione; HOHLFELDT, Antônio (Orgs.). Tensões e objetos da pesquisa em comunicação. Porto Alegre: Sulina/COMPÓS, 2002.

CANCLINI, Néstor. Consumidores e Cidadãos. Conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação.Estud. av.[online]. 1991, vol.5, n.11, pp. 173-191.

COSTA, Maria Eugênia Belckzak. Grupo focal. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

FRANÇA, Vera Regina Veiga. Representações, mediações e práticas comunicativas. In: PEREIRA, Miguel; GOMES, Renato Cordeiro; FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Comunicação, representação e práticas sociais. v. 1. Rio de Janeiro: PUC Rio; Aparecida: Idéias & Letras, 2004. p. 13-26.

FREUD, Singmund. Group pychology and the analysis of the ego, Civilization, society and religion. Vol. 12 Selected Works. Harmondsworth: Penguin, 1921/1991.

FIGARO, Roseli. A triangulação metodológica em pesquisa sobre a Comunicação no mundo do trabalho. Revista Fronteiras – Estudos miidáticos. n 16, v. 2, mai-ago 2014, p. 124-131.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomás Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

JACKS, Nilda et al. (Org.). Meios e audiências II: A consolidação dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2014.

JACKS, Nilda et al. (Org.). Meios e audiências III: reconfiguração dos estudos de recepção e consumo midiático no Brasil. Porto Alegre: Editora Sulina, 2017.

JACKS, Nilda; MENEZES, Daiane; PIEDRAS, Elisa. Meios e audiências: A emergência dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2008.

MACHADO, M. P. Telejornalismo, Identidades e Deficiência Visual: representação e recepção midiáticas junto a pessoas com deficiência visual. 2013. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; REY, German. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2001.

MARTINS, José de Souza. A sociedade vista do abismo. São Paulo: Editora Vozes, 2002.

MARTINS, José de Souza. Sociabilidade do homem simples. São Paulo: Editora Contexto, 2012.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Pesquisa em jornalismo no Brasil: o confronto entre os paradigmas midiacêntrico e sociocêntrico. Revista Eptic, v. 7, n. 1, p. 1-23, jan dez 2005.

SANGLARD, Fernanda Nalon. A representação da política no Jornal Nacional e a construção da notícia das identidades políticas dos jovens juiz-foranos. 2014. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

SCHLAUCHER, Bárbara Garrido de Paiva. Jornalismo, identidade e narrativa audiovisual: consumo e experimentação de conteúdos telejornalísticos por jovens universitários e trabalhadores no contexto da convergência midiática. 2014. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

SCHNORR, Júlia Mello. (2013). Jovens Rurais, corações urbanos: Jornal Nacional e as desigualdades sociais do campo. 2013. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

STRELOW, Aline. O estado da arte da pesquisa em jornalismo no Brasil: 2000 a 2010. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, v. 02, n. 25, p.67-90, dez. 2011.

WOLTON, Dominique. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

WOTTRICH, Laura Hastenpflug. “Quem precisa de identidades?” Os estudos de recepção. In: JACKS, Nilda et al. Meios e audiências 2: A consolidação dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n1p156

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons