Zona de sombra sobre o jornalismo

Beatriz Marocco

Resumo


Este artigo explora a produção teórica que aproxima scholars alemães e norte-americanos, como Albert Schäffle (1831-1903); Karl Knies (1821-1898); Karl Bücher (1847-1930); Ferdinand Tönnies (1835-1936); Albion Small (1854-1926); Edward Ross (1856-1951); Max Weber (1864-1920); e Robert Park (1864-1944); pretende resgatá-la da pré-história do jornalismo e, com isso, materializar evidências de que essa produção crítica sobre as práticas jornalísticas, reunida em parte por H. Hardt (1979) nas chamadas “social theories of the press”, coincide, em sua exterioridade original mesma, com as práticas que se davam nos jornais de seu próprio tempo embora entre uns e outros não pareça existir a mais mínima relação de dependência.

Palavras-chave


Teorias do jornalismo; Práticas jornalísticas; Crítica das párticas jornalísticas; Organicismo; Teoria social da imprensa; Press studies; Newspaper practices; Newspaper practices criticism; Organiscism; Social theories of the press

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons