Assessores de imprensa do campo político:

demarcações das características de seu trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n2p213

Palavras-chave:

Assessoria de imprensa, Campo Jornalístico, identidade profissional

Resumo

A assessoria de imprensa se constituiu como um subcampo do jornalismo compartilhando códigos desse campo. O objetivo do estudo foi identificar como os jornalistas assessores de imprensa que trabalham no campo da política caracterizam sua atuação fora dos meios de comunicação. As informações foram coletadas mediante questionários, 36 profissionais que trabalham como assessores de imprensa na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina. O estudo analisou os termos evocados sobre a natureza das atividades e as justificativas apresentadas. A análise de conteúdo foi auxiliada pelos softwares Evoc e Simi. Os resultados mostram três percepções dos profissionais ao descreverem as características do seu trabalho: do jornalismo, da assessoria de imprensa e pessoais. A proximidade entre as categorias mostra uma ambivalência na construção da imagem dos assessores de imprensa. A partir dos dados os profissionais compreendem a atuação nas assessorias de imprensa como um trabalho com atributos próprios e, simultaneamente, por características do campo jornalístico.

Biografia do Autor

Aline Louize Deliberali Rosso

Graduada em Comunicação Social Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Brasil. Doutora em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

Referências

n. 1, 1º Semestre 2005.

BARSOTI, A. Jornalista em mutação – do cão de guarda ao mobilizador de audiência. Florianópolis: Insular, 2014.

BENEDETI, C. A. A qualidade da informação jornalística: do conceito à prática. Florianópolis: Insular, 2009.

CHAPARRO, M. C. Cem anos de Assessoria de Imprensa. In: DUARTE, J. Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia: teoria e técnica. São Paulo: Atlas, 2011.

CHINEM, R. Assessoria de Imprensa – como fazer. São Paulo: Summus Editorial, 2003.

DEUZE, M.; WITSCHGE, T. Além do jornalismo. Leituras do Jornalismo, Bauru, v. 2, n. 4, p. p. 1-31, jul./dez. 2015.

DUARTE, J. A. M. Assessoria de imprensa: o caso brasileiro. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. XXIV, n. 1, p. 79-105, jan./jun. 2001.

DUARTE, J. Assessoria de imprensa e Relacionamento com a Mídia: teoria e técnica. São Paulo: Atlas, 2011.

FAUSTO NETO, A. Discurso Político e Mídia. In: RUBIM, A. A C (org.). Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, 2004, p. 106-126.

FERRARETTO, L. A.; FERRARETTO, E. K. Assessoria de imprensa: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2009.

FONSECA, V. P. D. S. Jornalismo, ação racional conforme os fins e os valores. E-Compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. v.19, n. n. 1, jan/abr 2016. Acesso em: 22 julho 2016.

GUIMARÃES, R. N.; REIS, L. C. M. D. A ética profissional na assessoria de imprensa. Revista eletrônica Cosmopolita em ação, Brasília, v. 4, n. 1, dez 2017.

MAFEI, M. Assessoria de Imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2008.

MAFEI, M.; CECATO, V. Comunicação corporativa. São Paulo: Contexto, 2015.

MARQUES, F. P. J. A.; MIOLA, E.; SIEBRA, N. Jornalismo, assessoria de imprensa e seus condicionantes organizacionais: uma reflexão a partir das teorias do jornalismo. Animus, Revista Interamericana de Comunicação Midiática, Santa Maria, RS, v. 13, n. 25, p. 145-166, 2014.

MARTINUZZO, J. A. Seis questões fundamentais da comunicação organizacional estratégica em rede. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

MAUAD, S. Os Segredos de um Bom Assessor de Imprensa. BOCC – Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, Covilhã, 2009.

MICK, J. Trabalho jornalístico e convergência digital no Brasil: um mapeamento de novas funções e atividades. Revista Pauta Geral – Estudos em Jornalismo, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p. 15-37, jan./jun. 2015.

MICK, J.; LIMA, S. Perfil do jornalista brasileiro – Características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular Livros, 2013.

PEREIRA, F. H.; ADGHIRNI, Z. L. O jornalismo em tempo de mudanças estruturais. Intexto, Porto Alegre, v. 1, n. 24, p. 38-57, jan./jun. 2011.

PEREIRA, F. H.; LACERDA, A.; MATTOS, M. Rotinas e estratégias dors news promoters na cobertura política nacional: o cotidiano da Secretaria de Imprensa e Divulgação da Presidência da República. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 2, n. 2, p. 155-165, jul/dez 2005.

PORTO, M. P. Enquadramento da Mídia e Política. In: RUBIM, A. A C (org.). Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, 2004, p. 73-104

RIBEIRO, V. O campo e o triângulo operacional da assessoria de imprensa. In: GONÇALVES, G.; GUIMARÃES, M. Fronteiras e Fundamentos Conceptuais das Relações Públicas. Covilhã: Livros LabCom, v. 1, 2014. p. 65-87.

ROSSO, A. L. D. R. O Capital Simbólico do Campo Jornalístico: disputas e códigos compartilhados entre jornalistas de mídia e assessores da ALESC. 304 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/176744/347090.pdf?sequence=1&isAllowed=y . Acesso em: 13 jan. 2020.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Altas, 2009.

SANT’ANNA, F. Mídia das fontes: o difusor do jornalismo corporativo. BOCC − Biblioteca Online de Ciências da Comunicação da Universidade da Beira Interior −, Corvilhã, 2006.

SARTOR, B. A. Assessoria de imprensa e visibilidade: a imagem-conceito das organizações no incontrolável domínio da notícia. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 7, n. 14, jul./dez 2008.

SILVA, M. A. R. D. Jornalistas pra quê? A militância sindical e o drama da identidade profissional. Tese de doutorado. Universidade Federal Fluminense – Instituto de Artes de Comunicação Social, 2007.

SÓLIO, M. B. Jornalismo organizacional: produção e recepção. São Paulo: Summus, 2011.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo vol II: a tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005.

WEBER, M H. Na comunicação pública, a captura do voto. Logos 27: Mídia e democracia. Ano 14, 2º semestre 2007, p. 21-42.

WEBER, M. H. O estatuto da imagem pública na disputa política. ECO-Pós, v. 12, n. 3, set./dez. 2009, p. 11-26.

WEBER, M. H. A imagem pública. In: RUBIM, A. A. C. (org.). Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, 2004, p. 259-307.

Downloads

Publicado

2020-12-18