Jornalismo em tempos de desmanche: elementos dominantes, residuais e emergentes

Autores

  • Rafael Bellan Rodrigues de Souza Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2021.e78368

Palavras-chave:

Teoria do Jornalismo, neoliberalismo, capital

Resumo

bservando a materialidade do jornalismo em tempos de desmanche neoliberal, ascensão do capitalismo financeiro, corrosão do trabalho e plataformização da vida social, este ensaio busca compreender as contradições dessa prática humana de conhecimento. Para tanto, investiga-se, com o suporte do materialismo cultural de Williams (2011), os elementos dominantes, residuais e emergentes da práxis jornalística hoje, vista aqui no interior de processos hegemônicos de produção de consciência. O jornalismo aparece enquanto uma esfera do conjunto das formas culturais presentes no interior das práticas sociais vividas, ou seja, elemento do complexo de complexos que perfazem a cultura. Assim, com base no panorama histórico-crítico traçado, refletimos sobre a relação da práxis noticiosa com a vida cotidiana (LUKÁCS, 2013), bem como avaliamos seu potencial no enfrentamento da barbárie social e dos estranhamentos gerados pelo sistema sociometabólico do capital.

Biografia do Autor

Rafael Bellan Rodrigues de Souza, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Ciências Sociais pela Unesp - Araraquara, Mestre em Comunicação e Jornalista pela Unesp - Bauru. É professor Adjunto do curso de Comunicação Social - Jornalismo do Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (Icsez) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Referências

ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo, 2020.

CARCANHOLO, Marcelo; BARUCO, Grasiela. Pós-modernismo e neoliberalismo: duas facetas ideológico-políticas de uma pretensa nova era. Revista Lutas Sociais, PUC, n. 21 ed. 22, 2009.

CEVASCO, Maria Elisa. A cultura da servidão financeira: uma leitura às avessas. In: OLIVEIRA, Francisco; BRAGA, Rui; RIZEK, Cibele. Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo, 2010.

CHEROBINI, Demétrio. A crítica do Estado no pensamento de István Mészáros: notas para uma aproximação. Revista Margem Esquerda, n. 26, 1º sem, 2016.

CHRISTOFOLETTI, Rogério. A crise do jornalismo tem solução? Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2019.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

EVANS, Kate. Refugiados: a última fronteira. Rio de Janeiro: Darkside Books, 2018.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FIGARO, Roseli (Org.). As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. São Paulo: Atlas, 2013.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

HALL, Stuart; JEFFERSON, Tony; CLARKE, John; ROBERTS, Brian. A produção social das notícias: o mugging nos media. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Editora Insular, 2016.

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale. (Orgs.) Dicionário gramsciano (1926-1937). São Paulo: Boitempo, 2017.

LUKÁCS, György. Introdução a uma estética marxista. São Paulo: Instituto Lukács, 2018.

LUKÁCS, György. Marx e Engels como historiadores da literatura. São Paulo: Boitempo, 2016.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MAIO, Alexandre de. Raul. São Paulo: Elefante, 2018.

MÉSZÁROS, István. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MORETZSOHN, Sylvia. Pensando contra os fatos: jornalismo e cotidiano: do senso comum ao senso crítico. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

PINASSI, Maria Orlanda. Da miséria ideológica à crise do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

PONTES, Felipe. Adelmo Genro Filho e a Teoria do Jornalismo. Florianópolis: Insular, 2015.

SACCO, Joe. Uma história de Sarajevo. São Paulo: Conrad, 2005.

SCHWARZ, Roberto. Prefácio com perguntas. In: Crítica à razão dualista/O Ornitorrinco. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

SOUZA, Rafael B. R. A comunicação contra-hegemônica no capitalismo digital: limites e contradições. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.16, n.1, maio 2020.

SRNICEK, Nick. Capitalismo de plataformas. Buenos Aires: Caja Negra, 2018.

WILLIAMS, Raymons. Cultura e Materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ZUBOFF, Soshana. Big Other: capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação. In: BRUNO, F.; CARDOSO, B.; KANASHIRO, M.; GUILHON, L.; MELGAÇO, L. (orgs.) Tecnopolíticas da vigilância: Perspectivas da margem. São Paulo, Brasil: Boitempo, 2018.

Downloads

Publicado

2022-01-03