Sentidos e percepções de crianças migrantes em Florianópolis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n2p358

Resumo

Analisa os sentidos e as percepções de crianças migrantes a respeito de seus próprios processos de migração. A pesquisa foi realizada em uma unidade de educação infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis e contou com a participação de treze crianças migrantes e de uma criança nativa da cidade com idades entre quatro e seis anos. Utiliza como instrumento de coleta de dados o questionário e entrevista realizada com as famílias. Com base no materialismo histórico dialético, foram utilizadas as categorias totalidade e particularidade do fenômeno social migratório. Buscou-se na perspectiva histórico-cultural as bases para compreender as percepções das crianças. As falas infantis revelam o modo como apreendem a totalidade das relações sociais vigentes, deixando claro a classe social que pertencem. Além disso, essas falas também denunciam a forma como as contradições sociais determinam a objetividade da vida social e as subjetividades desde tenra idade.

Biografia do Autor

Soraya Franzoni Conde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Karina Strohhaecker Lisa Alcubierre, Secretaria Municipal de Educação, Florianópolis, Santa Catarina

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora de Educação Infantil – Prefeitura Municipal de Florianópolis/Núcleo de Educação Infantil ColôniaZ-11 (PMF).

Downloads

Publicado

2018-07-16