Conservador nos costumes e liberal na economia: liberdade, igualdade e democracia em Burke, Oakeshott e Hayek

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p223

Palavras-chave:

Conservadorismo, Liberalismo, Burke, Oakeshott, Hayek

Resumo

Baseado na análise dos textos seminais: Reflexões sobre a Revolução em França, de Edmund Burke; Ser Conservador, de Michael Oakeshott e Por que não sou Conservador, de Friedrich A. Hayek, este ensaio apresenta ao leitor os princípios fundamentais do conservadorismo moderno originalmente articulado em oposição ao liberalismo, ao mesmo tempo em que expõe criticamente os elementos teóricos que permitem sustentar a contraditória aliança política condensada na expressão “conservador nos costumes e liberal na economia”.

Biografia do Autor

Osmir Dombrowski, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, UNIOESTE

Cientista Político, membro do Colegiado de Ciências Sociais e do Programa de Pós-graduação em Serviço Social.

Referências

BOBBIO, N. Liberalismo e Democracia. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BOBBIO, N.; Matteucci, N.; e Pasquino, G. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

BURKE, Edmund. Reflexões sobre a revolução em França. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

FRASER, Nancy. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Estudos Feministas, 15(2), Florianópolis, maio-agosto/2007, pp. 291-308.

HAYEK, Friedrich A. O Caminho da Servidão. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

HAYEK, Friedrich A. Los Fundamentos de la Libertad. Madrid: Unión Editorial, 2006.

HIRSCHMAN, Albert O. A Retórica da Intransigência: perversidade, futilidade, ameaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

MAISTRE, Joseph de. Consideraciones sobre Francia. Madrid: Editorial Tecnos, 1990.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. 4. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.

BOBBIO, N. Liberalismo e Democracia. 6. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BURKE, E. Reflexões sobre a revolução em França. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

FRASER, N. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 291-308, maio/ago. 2007.

HAYEK, F. A. O Caminho da Servidão. 5. ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

HAYEK, F. A. Los Fundamentos de la Libertad. 7. ed. Madrid, España: Unión Editorial, 2006.

HIRSCHMAN, A. O. A Retórica da Intransigência: perversidade, futilidade, ameaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

MAISTRE, J. de. Consideraciones sobre Francia. Madrid: Editorial Tecnos, 1990.

MARSHALL, T. S. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARX, K. A Questão Judaica. São Paulo: Editora Moraes, 1991.

NISBET, R. O Conservadorismo. Lisboa: Editorial Estampa; 1987.

OAKESHOTT, M. Ser Conservador. In: OAKESHOTT, M. Conservadorismo. Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2016, p. 176-235.

PISIER, E. História das Ideias Políticas. Barueri: Manole, 2004.

ROUSSEAU, J. J. Do Contrato Social. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Os Pensadores).

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

TOCQUEVILLE, A. de. A democracia na América. 4. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1998.

YOUNG I. M. O ideal da imparcialidade e o público cívico. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 9, p. 169-203, set./dez. 2012.

Downloads

Publicado

2020-05-15