Ódio e intolerância nas redes sociais digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p419

Palavras-chave:

Internet, Ódio, Redes sociais, Intolerância

Resumo

O artigo objetiva discutir os discursos de ódio e intolerância nas redes sociais digitais, por meio de pesquisa bibliográfica e documental, ancorada na teoria social crítica. Toma a Internet como lócus dos discursos e questiona: em que medida o ódio e a intolerância nas redes sociais digitais se constituem um risco frente ao estado democrático de direito? Compreende-se que a Internet é um espaço do contraditório, e isso tem muito a ver com o funcionamento dos mecanismos de seleção de dados e informação utilizados por plataformas como o Google ou o Facebook. Evidencia-se que o uso intensivo das redes sociais digitais está contribuindo para a formação de perfis marcados pela intolerância e pelo radicalismo. A análise demostra que as redes sociais digitais se constituem uma ameaça frente ao estado democrático de direito.

Biografia do Autor

Jaqueline Carvalho Quadrado, Universidade Federal do Pampa/RS

Doutora em Sociologia. Professora do Curso de Serviço Social e  do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas.

Ewerton da Silva Ferreira, Universidade Federal do Pampa.

Bacharel em Ciências Humanas. Mestrando do Programa Políticas Públicas.

Referências

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BAUMAN, Z. Estado de Crise. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BELÉM, E. de F. A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil. Revista Bula, [2018]. Não paginado. Disponível em: https://www.revistabula.com/12570-a-marcha-da-insensatez-redes-sociais-estao-destruindo-a-sociedade-civil/. Acesso em: 24 fev. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 18 jan. 2020.

BUTLER, J. Excitable Speech: A Politics of the Performative. New York: Routledge, 1997.

CHAUÍ, M. Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo, 2000.

DICIONÁRIO DE SIGNIFICADOS. Significado de Ad hominem. 2020. Disponível em: https://www.significados.com.br/ad-hominem/. Acesso em: 25 fev. 2020.

DOMO. Data Never Sleeps 6.0: How much data is generated every minute? 2018. Disponível em: https://www.domo.com/assets/downloads/18_domo_data-never-sleeps-6+verticals.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

DOSSIÊ intolerâncias: visível e invisíveis no mundo digital. Comunica que muda, [São Paulo]: Nova/sb, [2016]. Disponível em: https://www.comunicaquemuda.com.br/dossie/intolerancia-nas-redes/. Acesso em: 20 jan. 2020.

GOOGLE. Discurso de intolerância. Disponível em buscador Google. Acesso em: 23 fev. 2020.

GOOGLE. Discurso do ódio. Disponível em buscador Google. Acesso em: 23 fev. 2020.

HOLLANDA, A. B. de. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

PEREIRA, N. Redes sociais validam o ódio das pessoas, diz psicanalista. BBC Brasil, São Paulo, 10 jan. 2017. Não paginado. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-38563773. Acesso em: 18 jan. 2020.

ROSENFELD, M. Hate speech in constitutional jurisprudence: a comparative analysis. Law Research Paper, New York, n. 41, abr. 2001. Disponível em: http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=265939. Acesso em 15 de fev. 2020.

SANTOS, M. A., SILVA M. T. M. Discurso do Ódio na Sociedade da Informação Preconceito, Discriminação e Racismo em Redes Sociais. In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI/UNINOVE, 22., 2013, São Paulo, Anais [...]. Florianópolis: Sociedade global e seus impactos sobre o estudo e a efetividade do Direito na contemporaneidade, 2013, p. 82-99.

SCHUMPETER, J. A resposta criadora na história econômica. In: Lucas (org.). Economia e Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

SOUZA, C. A.; PADRÃO, V. Quem lê tanta notícia (falsa)? Entendendo o combate contra as “fake news”. ITs Rio, Rio de Janeiro: 2017.

Disponível em https://itsrio.org/pt/publicacoes/quem-le-tanta-noticia-falsa/. Acesso em: 25 fev. 2020.

TIBURI, M. Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record, 2016.

YOUNG, I. M. Representação política, identidade e minorias. Lua Nova, São Paulo, n. 67, p. 139-190, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452006000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-10-05