Forças produtivas e compleições corporais: do trabalho braçal ao trabalho confinado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p667

Palavras-chave:

Discurso, Compleição corporal, Trabalho confinado

Resumo

O presente artigo tem por objetivo desenvolver uma reflexão sobre o corpo do trabalhador, o trabalho do corpo e a imagética do corpo no entremeio das perspectivas da teoria materialista do discurso, do materialismo histórico, da genealogia foucaultiana, da historiografia brasileira e da sociologia do trabalho contemporâneo. Sem buscar ser exaustivo e sem visar uma complementaridade entre essas perspectivas, o artigo propõe a tese de um corpo histórico, cuja compleição, imagética, ideal e sofrimentos (dos corpos de trabalhadores e não trabalhadores) são sobredeterminados pela morfologia do trabalho de dada formação social. Como ilustração do atual trabalhador imóvel e confinado, abordam-se as condições contemporâneas do trabalho do operador de telemarketing. Por fim, tecem-se algumas considerações sobre imobilização e condicionamento dos corpos e o confinamento do trabalhador urbano durante o expediente laboral. Da exposição de novos modos de sofrimento no trabalho engendra-se uma crítica materialista da crítica hegemônica à corpolatria contemporânea.

Biografia do Autor

Maurício Beck, PPGL-UESC

Doutor em Letras: estudos linguísticos – PPGL- UFSM, 2010, graduado em psicologia. Pesquisador em Análise de Discurso, atualmente é professor visitante pelo PPGL-UESC, Ilhéus-BA.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados. São Paulo, v. 28, n. 81, p. 39-53, Ago. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142014000200004. Acesso em: 07 Fev. 2020.

BALDINI, Lauro José Siqueira; DI NIZO, Patrícia Leal. O Cinismo como prática ideológica. Estudos da Lingua(gem). Vitória da Conquista. V.12, n.2, p.131-158, Dez. 2015.

BAITELLO JUNIOR, Norval. O pensamento sentado: sobre glúteos, cadeiras e imagens. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2012.

BERCITO, Sonia de Deus Rodrigues. Corpos-máquinas: trabalhadores na produção industrial em São Paulo (décadas de 1930 e1940). In: DEL PRIORI; Mary; AMANTINO, Marcia (Orgs.). História do corpo no Brasil. São Paulo: UNESP, 2011. p. 371-404.

BRÖM, Jean-Marie. “Depois de mim, o dilúvio!” Imagens da morte e da negação do corpo em Marx. In: NÓVOA, Jorge (org.). Incontornável Marx. Salvador / São Paulo: EDUFBA / EDUNESP, 2007. p. 339-367.

CAMUS, Albert. O Mito de Sísifo. Tradução de Ari Roitman e Paulina Watch. 2 ed. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2012.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. [1967] Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. [1979] Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007a.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. História da Violência nas Prisões. [1975] 33. ed. Tradução de Raquel Ramalhete Petrópolis: Vozes, 2007b.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. 2 ed. ampliada. Petrópolis: Vozes, 2017.

MARX, Karl. Maquinaria e trabalho vivo (os efeitos da mecanização sobre o trabalhador). Crítica Marxista, São Paulo, Brasiliense, v.1, n.1, 1994, p.103-110.

ORLANDI, Eni P. Cidade dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2004.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi, Lourenço Chacon Jurado Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa e Silvana Mabel Serrani. 3. ed. Campinas. Ed. Unicamp, 1997.

Downloads

Publicado

2020-10-05