Por que o trabalho na cana tem moído gente e espalhado bagaços?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p674

Palavras-chave:

Processo de trabalho, Trabalho canavieiro, Adoecimento, Superexploração

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre o processo de trabalho no corte da cana e o adoecimento e mortes de trabalhadores. A perspectiva teórica do trabalho é marxista e utiliza como instrumento metodológico de coleta de dados o estudo bibliográfico. Os resultados da investigação evidenciam que a compreensão do processo de trabalho no corte da cana é imprescindível na elucidação do adoecimento e mortes de trabalhadores. Ademais, na flexibilização canavieira, tanto se generalizam a redução dos postos de trabalho como o aumento da intensidade do trabalho; por uma variedade de estratégicas que se intensificam, como o pagamento por produção. O artigo conclui que o corpo do trabalhador, seja por adoecimento, mortes ou traumas físico-psíquicos, materializa a superexploração da força de trabalho no corte da cana, o que revela, por sua vez, o caráter destruidor que a acumulação do capital da agroindústria canavieira possui sobre seus trabalhadores.

Biografia do Autor

Sabrina Ângela França da Silva Cruz, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Professora Adjunta da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)/Campus Arapiraca – Pólo Arapiraca. Pesquisadora Colaboradora do Laboratório de Observação Permanente sobre o Mundo Rural (LaeRural) do Núcleo Avançado de Políticas Públicas (NAPP/UFRN) e do Grupo de Pesquisa Sociedade, Natureza e Desenvolvimento no Agreste Alagoano (UFAL/ARAPIRACA). Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).  Graduada em Ciências Sociais pela UFRN.

Referências

ALVES, F. Migração de Trabalhadores Rurais do Maranhão e Piauí para o corte de cana em São Paulo: Será esse um fenômeno casual ou recorrente da estratégica empresarial do Complexo Agroindustrial Canavieiro? In: NOVAES, J. R.; ALVES, F. (org.). Migrantes. Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EdUFSCar, 2007. p. 87-117.

ALVES, F. Modernização da agricultura e sindicalismo: luta dos trabalhadores assalariados rurais da região canavieira de Ribeirão Preto-SP. 1991. Tese (doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, 1991.

ALVES, F. Por que morrem os cortadores de cana? Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 90-98, set./dez. 2006.

ALVES, F. Processo de trabalho e danos à saúde dos cortadores de cana. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, São Paulo, v. 3, n. 2, abr./ago. 2008b. Disponível em: www.interfacehs.sp.senac.br. Acesso em: 20 set. 2016.

ALVES, F. Trabalho e trabalhadores no corte de cana: ainda a polêmica sobre o pagamento por produção e as mortes por excesso de trabalho. In: BISON, N.; PEREIRA, J.C.A. (org.). Agrocombustíveis, solução? A vida por um fio no eito dos canaviais. São Paulo: CCJ, 2008a.

ALVES, G. Capitalismo global: Nova morfologia social do trabalho e a precarização do homem que trabalha. In: PLANCHEREL, A. A.;BERTOLDO, E. Trabalho e Capitalismo Contemporâneo. Maceió: Edufal, 2011. p. 37-58.

BRASIL. Setor de Fabricação e Refino de Açúcar (CNAE Grupo 107): Perfil dos Acidentes de Trabalho no Estado de Alagoas. Relatório Alagoas - Parte 2. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho/SIT/TEM/Grupo Técnico de Estatística Aplicada/ENIT/SIT/MTE, 2013.

CALADO, J. CPT encontra irregularidade na Usina Santa Clotilde. Comissão Pastoral da Terra, Alagoas, 23 jul. 2008. Disponível em:http://cptalagoas.blogspot.com.br/2008/07/cpt-encontra-irregularidades-na-usina.html. Acesso em: 20 set. 2016.

CARREIRO, L. M. Morte por excesso de trabalho (Karoshi). Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte,v. 46, n. 76, p. 131-141, jul./dez. 2007.

COISSI, J. Lavrador morre carbonizado em canavial. Folha de São Paulo, Ribeirão Preto, 13 jul. 2009. Disponível em: http://

www1.folha.uol.com.br/fsp/ribeirao/ri1307200902.htm. Acesso em: 28 set. 2016.

CONTAMINACIÓN por micropartículas aumenta la mortalidad de imediato. El Tiempo. Colombia, 6 jan. 2015. Disponível em: http:/

/www.eltiempo.com/estilo-de-vida/salud/contaminacion-microparticulas-como-las-generadas-por-el-trafico-eleva-la-mortalidad-a-cortoplazo/15061295. Acesso em: 29 jan. 2016.

CUNHA, T. Pesquisa da UFSCar traça perfil dos cortadores de cana-de-açúcar. G1 Globo, São Carlos, 21 out. 2016. Disponível em:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2016/10/pesquisa-da-ufscar-traca-perfil-dos-cortadores-de-cana-de-acucar.html. Acesso em: 20 set. 2019.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Desempenho do setor sucroalcooleiro brasileiro e os trabalhadores. Estudos e Pesquisas, ano 3, n. 30, fev. 2007.

ENCONTRO DOS TRABALHADORES CANAVIEIROS DA REGIÃO NORDESTE, 1, nov. 2005. Igarassu, PE. Anais [...]. Igarassu,

PE: FUNDACENTRO, 2005. Disponível em:http://www.fundacentro.gov.br/biblioteca/biblioteca-digital/download/AcervoDigital/34/NORDESTE%20_%20FINAL-pdf. Acesso em: 20 set. 2019.

IAMAMOTO, M. V. Trabalho e Indivíduo Social: um estudo sobre a condição operária na agroindústria canavieira paulista. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LAAT, E. F. de. Trabalho e risco no corte manual de cana-de-açúcar: a maratona perigosa nos canaviais. In: SEMINÁRIO CONDIÇÕES DE TRABALHO NO PLANTIO E CORTE DE CANA, 2008, Campinas, Anais [...]. Campinas, SP: Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região, 2008.

MARINI, R. M. Dialética da dependência. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARX, K. O Capital: Crítica da economia política. Livro III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1974.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Vol. I, Livro I, Tomo I e II São Paulo: Nova Cultural, 1985.

NOVAES, J. R. P. Campeões de produtividade: dores e febres nos canaviais paulistas. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 59, p.167-177, abr. 2007b.

NOVAES, J. R. P. Idas e Vindas: Disparidades e Conexões Regionais: Um estudo sobre o trabalho temporário de nordes2007tinos na safra da cana paulista. In: NOVAES, J. R.; ALVES, F. (org.). Migrantes: Trabalho e Trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os Heróis do agronegócio brasileiro), 2007a.

OLIVEIRA, F. Prefácio. In: NOVAES, J. R.; ALVES, F. (org.). Migrantes: Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EdUFSCar, 2007.

PIATTO, M.; COSTA JUNIOR, C. Redução da queima da cana-de-açúcar e das emissões de GEE: um exemplo para os outros setores do agronegócio. Imaflora, Piracicaba, SP, 27 mar. 2016. Disponível em:http://imaflora.blogspot.com.br/2016/01/reducao-da-queima-dacana-de-acucar-e.html. Acesso em: 29 set. 2016.

PLANCHEREL, A. A.; QUEIROZ, A. S; SANTOS, C. O “Canguru” no universo canavieiro alagoano: saúde e precarização do trabalho na indústria açucareira. In: PLANCHEREL, A. A. BERTOLDO, E. (org.). Trabalho e Capitalismo Contemporâneo. Maceió: Edufal, p.59-80, 2011.

PORTELLA, C. Salário vinculado ao volume de cana cortada eleva exploração do cortador. Carta Maior, 10 out. 2013. Disponível em:http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/Salario-vinculado-ao-volume-de-cana-cortada-eleva-exploracao-do-cortador/7/29385.

Acesso em: 20 set. 2016.

Downloads

Publicado

2020-10-05