A mulher de negócios no discurso do trabalho feminino

Autores

  • Cristiane Gomes de Souza UFAL

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p700

Palavras-chave:

Empreendedorismo, Mulher, Análise do Discurso, Psicánalise, Gênero

Resumo

Este texto discute sobre a mulher de negócios corporificada no desenvolvimento de suas práticas e premiações advindos do empreendedorismo feminino segundo a discursividade do SEBRAE. Para isto, analisa-se o movimento de (re)formulação do discurso do SEBRAE sobre a mulher para evidenciar os efeitos de sentido do discurso do Capital. O objetivo é identificar a mulher de negócios no discurso do trabalho feminino como espaço constitutivo de convergência, divergência e silêncio entre essas mulheres. A pesquisa tomou como base os pressupostos teórico-metodológicos da Análise do Discurso (AD) de origem francesa, filiada a Pêcheux, e da Psicánalise. Defende-se que as relações interdiscursivas do SEBRAE sobre o empreendedorismo feminino, contribuem, de forma ideológica e inconsciente, para a constituição de discursos hegemônicos que elegem o empreendedorismo feminino contemporâneo como único modelo possível de geração de riqueza, liberdade e desfaçatez do sofrimento da mulher.

Biografia do Autor

Cristiane Gomes de Souza, UFAL

Psicóloga, Professora Universítária, Mestre em Serviço Social e Doutora e, Linguística

Referências

AMARAL, Maria Virgínia Borges. Discurso e Relações de Trabalho. [2005]. Maceió: Edufal, 2017.

AMARAL, Maria Virgínia Borges. DOSSIÊ DISCURSO E MEMÓRIA. A negação da memória do trabalho no discurso do capital. Resgate – Rev. Interdiscip. Cult., Campinas, v. 24, n. 1[31], p. 37-54, jan./jun. 2016 – e-ISSN: 2178-3284.

CHASIN, José. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica. São Paulo: Boitempo, 1987.

COSTA, A. S. M. Convergências, divergências e silêncios: o discurso contemporâneo sobre o empreendedorismo nas empresas juniores e na mídia de negócios/Tese (doutorado) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa, 2009.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. 2. ed. London: Routledge, 2006.

KURZ, Robert. Os últimos combates. Rio de Janeiro, Vozes, 1997.

MARX, K. Capítulo VI, inédito de O capital. São Paulo: Centauro, 2004a.

MARX, Karl. A Ideologia Alemã. Lisboa/São Paulo: Presença/Martins fontes, 1986.

MÉSZÁROS, I. A teoria da alienação em Marx. Trad. Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2006.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al., Campinas: Ed. Unicamp, 1997. [2009a].

PERROT, M. Escrever a história das mulheres. In: Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

GOMES, A. C.; VECHI, C. A. Estática romântica: textos doutrinários comentados. São Paulo: Atlas, 1992.

Downloads

Publicado

2020-10-05