“Desalentadas”: subjetivação em dizeres sobre as mulheres que desistiram de procurar trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p707

Palavras-chave:

Trabalho, Mulheres, Desalento, Discurso, Subjetivação

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre os processos de subjetivação que se materializam em dizeres sobre mulheres designadas como desalentadas. Sob a ancoragem na Análise do Discurso filiada a Michel Pêcheux, são recortados enunciados de reportagens que circularam na mídia em 2018/2019 tratando do desalento, nas expressões recentes do desemprego no país. As SDs analisadas permitiram investigar a posição-sujeito do discurso, bem como os processos de subjetivação do desalento. Identificou-se que a designação “desalentadas” é constitutiva no discurso sobre, comparecendo como efeito de conclusão, sendo a sua subjetivação constitutiva enquanto contra-identificação na formação discursiva do desemprego. Há um caráter momentâneo implícito no discurso sobre mulheres consideradas como desalentadas, com componente individual e influência do discurso do empreendedorismo e do discurso religioso, funcionando enquanto interdiscursos, que produzem efeito de esperança, embora com uma relação de dependência do processo histórico em curso.

Biografia do Autor

Sóstenes Ericson, Universidade Federal de Alagoas

Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura - PPGLL; Faculdade de Letras - FALE

Referências

AMARAL, M. V. B. O avesso do discurso – análise de práticas discursivas no campo do trabalho. Maceió: Edufal, 2007.

CAMEY, I. C.; SABATER, L.; OWREN, C.; WEN, A. Emmett Boyer Jamie, (org.) Gender-based violence and environment linkages The violence of inequality. Gland, Switzerland: IUCN, 2020.

COURTINE, J-J. Análise do discurso político. O discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

COURTINE, J-J. Definição de orientações teóricas e construção de procedimentos em Análise do Discurso. Policromias, junho/2016, ano 1, p.14-35.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). O emprego no setor do comércio e a crise internacional. Nota Técnica n. 84, de agosto de 2009. Disponível em:< http://www.dieese.org.br/notatecnica/notatec84

ComercioCrise.pdf>. Acesso em: 11 jan. 2020.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Apesar da crise, construção civil teve desempenho positivo em 2009. Boletim trabalho e Construção, n. 3, fevereiro de 2010. Disponível em:< http://www.dieese.org.br/notatecnica/notatec84

ComercioCrise.pdf>. Acesso em: 11 jan. 2020.

DICIONÁRIO ON-LINE DE PORTUGUÊS. Desalento. Disponível em: https://www.dicio.com.br/desalento/. Acesso em 11 jan. 2020.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, 1987.

FERRARI, H. Mulheres têm nível de ocupação menor que homens no Brasil, diz IBGE. Correio Braziliense/Economia, 22 fev.2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/02/22/internas_economia,739211/mulheres-tem-nivel-de-ocupacao-menor-que-homens-no-brasil-diz-ibge.shtml. Acesso em 14 fev. 2020.

ERICSON, S. Desalento: efeito de sentido da ofensiva neoliberal sobre o trabalho. Entremeios [Revista de Estudos do Discurso, ISSN 2179-3514, on-line, www.entremeios.inf.br], Seção Estudos, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem (PPGCL), Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS), Pouso Alegre (MG), vol. 20, Especial, Dossiê “Língua, discurso e trabalho na contemporaneidade”, p. 45-60, dez. 2019.

FOLHAPRESS. Negras, jovens e pessoas com pouco estudo são a cara do desalento no país. Notícia de Economia. Diário de Pernambuco. 23 set.2019. Disponível em: https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/economia/2019/09/negras-jovens-e-pessoas-com-pouco-estudo-sao-a-cara-do-desalento-no-p.html. Acesso em: 11 jan. 2020.

GERBELLI, L. G.; ALVES, P. Mulheres nordestinos e população de baixa escolaridade são a cara do desalento do Brasil. 19 fev.2019. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/02/19/mulheres-nordestinos-e-populacao-de-baixa-escolaridade-sao-a-cara-do-desalento-do-brasil.ghtml. Acesso em: 11 jan. 2020.

GUILBERT, T. L’“évidence” du discours neoliberal: analyse dans la presse écrite. Broissieux: Éditions du Croquant, 2011.

GUIMARÃES, E. R. J. Os limites dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 1995.

IAMAMOTO, M. O Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Indicadores mensais produzidos com informações do 4º Trimestre 2019 14 de fevereiro de 2020. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2020/02/pnad-continua-4t2019.pdf. Acesso em 22 fev. 2020.

INDURSKY, F. A fragmentação do sujeito em análise do discurso. In: INDURSKY, Freda; CAMPOS, M. C. (org.). Discurso, memória, identidade. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2000.

LIMA, A.; TALLMANN, H.; LOSCHI, M. et al. O desalento das pessoas que desistiram de procurar trabalho. Revista Retratos - IBGE. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/21318-o-desalento-das-pessoas-que-desistiram-de-procurar-trabalho. Acesso em: 11 jan. 2020.

LONG, C. D. Impact of effective demand on the labor supply. The American Economic Review, 1953. p. 458–467. Disponível em: www.jstor.org/stable/1831509. Acesso: 2 Mar. 2019.

MARTINS, T. Desalentados: 4,7 milhões de sentem sem esperança de emprego no Brasil. 18 mar.2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/trabalho-e-formacao/2019/03/18/interna-trabalhoeformacao-2019,743537/numero-de-desalentados-no-brasil-passa-de-4-7-milhoes.shtml. Acesso em: 11 jan. 2020.

NETTO, J. P. Cinco notas a propósito da “Questão Social”. Revista Temporalis, nº 3. (Revista da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social – ABEPSS), ano II, 2004.

JIMÉNEZ, J. I. Por qué dejan de trabajar las mujeres? El 31% sale para siempre del mundo laboral luego de ser madre. Capital Humano, 21 sep. 2017. Disponível em: https://capitalhumano.emol.com/7952/dejan-trabajar-las-mujeres-31-sale-siempre-del-mundo-laboral-luego-madre/. Acesso em 11 jan. 2020.

KARAISAKI, T. Εγκλωβισμένοι στην ανεργία οι νέοι. University of Patras, dezembro 2019. Disponível em: https://www.kathimerini.gr/1058060/article/epikairothta/ellada/egklwvismenoi-sthn-anergia-oi-neoi. Acesso em: 11 jan. 2020.

L’OBS. Inégalités dans le sport: gym pour les filles, foot et compétition pour les garçons. 24 nov, 2017. Disponível em: https://www.nouvelobs.com/societe/20171124.OBS7773/inegalites-dans-le-sport-gym-pour-les-filles-foot-et-competition-pour-les-garcons.html. Acesso em: 11 jan. 2020.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento de sentidos. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

ORLANDI, E. P. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. 1. ed. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. Terra à Vista: Discurso do Confronto, Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: UNICAMP, 1990.

PAVEAU, M.-A. Norme, idéologie, imaginaire. Les rituels de l’interpellation dans la perspective d’une philosophie du discours. Corela [En ligne], HS-8 | 2010, mis en ligne le 23 novembre 2010, consulté le 20 avril 2019. Disponível em: http://journals.openedition.org/corela/1797. Acesso em 11 jan. 2020.

PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. 5. ed. Campinas/SP: Pontes Editores, 2008.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, 2009.

PERUCHETTI, P.; RACHTER, L. Quem são os desalentados no Brasil? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 24 set.2019. Disponível em: https://blogdoibre.fgv.br/posts/quem-sao-os-desalentados-no-brasil. Acesso em: 11 jan. 2020.

TOLEDO, C. “No es amor, es trabajo no pago”: qué hará el nuevo ministério de las mujeres para compensar el trabajo em casa por el que nadie paga. 23 ene. 2020. Disponível em: masternwes.com.ar/index.php. Acesso em 10 fev. 2020.

UCHÔA, V. Depois do desemprego vem o desalento. UOL Folha de S. Paulo/Piauí. 17 jul. 2018. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/depois-do-desemprego-vem-o-desalento/. Acesso em: 11 jan. 2020.

ZELEDÓN, N. D. Más mujeres que hombres están em edad laboral, pero 15 de cada 100 no encuentran empleo. Dic 12, 2019. Disponível em: https://semanariouniversidad.com/pais/mas-mujeres-que-hombres-estan-en-edad-laboral-pero-15-de-cada-100-no-encuentran-empleo/. Acesso em: 11 jan. 2020.

ZOPPI-FONTANA, M. G. “Lugar de fala”: enunciação, subjetivação, resistência. Conexão Letras, Volume 12, nº 18, 2017, p.63-71.

Downloads

Publicado

2020-10-05