Contribuição à crítica da ‘economia solidária’

Autores

  • Henrique André Ramos Wellen UFRJ - Rio de Janeiro - RJ

DOI:

https://doi.org/10.1590/%25x

Palavras-chave:

Economia solidária, Ideologia, Alienação, Marxismo, Comunidade, Solidarity economics, Ideology, Alienation, Marxism, Community

Resumo

Neste ensaio, procura-se problematizar algumas premissas sobre a ‘economia solidária’ a partir de dois movimentos centrais: a transmutação do valor de troca em solidariedade e a transformação de qualidades solidárias em mercadorias. O primeiro ponto remete ao fato da ‘economia solidária’ preconizar o uso do capital como uma escolha individual, promovendo uma visão mistificadora da atual fase do capitalismo. Nesta perspectiva, as vontades das pessoas são tratadas como independentes das determinações do capital, apelando-se a elas para que façam uso solidário do seu capital particular e ampliem, dessa forma, o projeto em questão. Posteriormente, com base em leitura crítica da tese de que essas organizações dispõem de autênticas qualidades subjetivas e que estas representam vantagens competitivas frente às empresas capitalistas, aponta-se para a mistificação do uso da solidariedade como diferencial competitivo. Essas posturas são tratadas como formas ideológicas e enganosas que servem para intensificar processos de alienação humana.

Biografia do Autor

Henrique André Ramos Wellen, UFRJ - Rio de Janeiro - RJ

Possui graduação em Administração de Empresas e em Administração Pública pela UFPB (2001), mestrado em Gestão e Políticas Públicas pela UFRN (2004), e atualmente cursando doutorado em Serviço Social na UFRJ.

Downloads

Publicado

2008-01-01