América Latina: capital e devastação social

Autores

  • José Fernando Siqueira da Silva Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Departamento de Serviço Social. Curso de Pós-graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da UNIFESP. https://orcid.org/0000-0003-1040-9558

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-0259.2021.e74788

Palavras-chave:

América Latina, Autoritarismo, Estado e Classe

Resumo

O artigo analisa a América Latina no atual estágio de acumulação capitalista. O faz a partir de uma abordagem sócio-histórica que recupera componentes da crítica à economia-política de Marx, bem como observações de parte de sua tradição sobre o imperialismo, o colonialismo, a dependência, a revolução burguesa realizada pela “via colonial”, a modernização conservadora e o desenvolvimento “desigual e combinado”. Nisto, a composição das classes dominantes e dos Estados latino-americanos. O texto recupera a experiência latino-americana do autor e os estudos realizados em projetos de pesquisa por ele coordenado a partir de 2011 na área de Serviço Social. 

Biografia do Autor

José Fernando Siqueira da Silva, Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Departamento de Serviço Social. Curso de Pós-graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da UNIFESP.

Livre-docente em Serviço Social pela UNESP. Doutor em Serviço Social pela PUC. Professor Adjunto III, livre-docente, do Departamento de Serviço Social da UNESP-Franca.

Referências

ANTUNES, R. O privilégio da servidão. São Paulo: Boitempo, 2018.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependência e desenvolvimento na América Latina. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil; ensaio de interpretação sociológica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

FERNANDES, F. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Global, 2009.

FERNANDES, F. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

FONTES, V. El proto-fascismo: núcleo central del gobierno Bolsonaro. Trasversales, 46, 2019. Disponível em: http://www.trasversales.net/t46vfontes.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de capital fetiche – capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo, Cortez Editora, 2007.

IANNI, O. A ditadura do grande capital. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

LENIN. V. I. O imperialismo: fase superior do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do Ser Social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Boitempo, 2010.

MANDEL, E. O capitalismo tardio. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARINI, R. M. América Latina, dependencia y globalización. Bogotá: CLACSO y Siglo del Hombre Editores, 2008.

MARX, K. O método da economia política. In: FERNANDES, F. (org.). Marx e Engels: história. 3. ed. São Paulo: Ática, 1989.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1984a. v.1, t. 2.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1984c. v.3, t. 1.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1985. v. 3, t. 2.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1984b. v. 2.

Marx, Karl. Para a questão judaica. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS. I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

MOURA, Clóvis. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

MOURA, Clóvis. Sociologia do Negro Brasileiro. São Paulo Ática editora. 1988.

PAULO NETTO, J. Lukács. São Paulo: Ática, 1981.

OLIVEIRA, F. de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

RAICHELIS, R. Atribuições e competências profissionais revisitadas: a nova morfologia do trabalho no Serviço Social. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (org.). Atribuições privativas do/a assistente social em questão. Brasília, CFESS, 2020. v. 2. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CFESS202-AtribuicoesPrivativas-Vol2-Site.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

REAL GDP growth. International Monatary Fund, [2020]. Disponível em: https://www.imf.org/external/datamapper/NGDP_RPCH@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD. Acesso em: 28 jul. 2020.

SILVA, J. F. S. Serviço Social: resistência e emancipação? São Paulo: Cortez, 2013.

SILVA, J. F. S. Sociedade do capital, violências e práxis profissional. Juventudes, violências e políticas publicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2018.

SILVA, J. F. S. Trabajo social y crítica marxista. Propuestas críticas en Trabajo Social. Santiago: Revista del Departamento de Trabajo Social de la Universidad de Chile, número 1, 2020. (prelo)

THE WORD BANK. Brasil: aspectos gerais. O Banco Mundial no Brasil, 2019. Disponível em: https://www.worldbank.org/pt/country/brazil/overview. Acesso em: 28 jul. 2020.

Publicado

2021-04-09