Usina Hidrelétrica de Belo Monte: lutas sociais e resistência na Amazônia Paraense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-0259.2021.e75250

Palavras-chave:

Lutas sociais e Resistências, Movimentos sociais, Usina Hidrelétrica de Belo Monte, Amazônia Paraense

Resumo

Este texto analisa as formas organizativas das lutas sociais e resistência na área de influência da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, diante do projeto energético do governo brasileiro que concebe a Amazônia como produtora de megawatt. Com base no método do materialismo histórico e dialético, foi realizada pesquisa bibliográfica, documental e de campo, mediante entrevistas com lideranças de 16 entidades em três cidades do Pará: Altamira, Vitória do Xingu e Senador José Porfírio. A pesquisa identificou que a resistência é estruturante e se expressa na pluralidade dos grupos sociais que denunciam a política energética brasileira conectada à mundialização capitalista dos territórios, que é materializada pela perda da moradia, violação ao modo de vida de povos originários, barragem de rios, alagamento de comunidades, extinção de espécies aquáticas, plantas e animais, ressurgimento de doenças, extinção de postos de trabalho, deslocamentos compulsórios, aumento da criminalidade e mortes. Danos socioambientais que ameaçam a humanidade genérica.

Biografia do Autor

Kátia Maria dos Santos Melo, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Graduação em Serviço Social pela Universidade da Amazônia (1997), Especialista em Gestão em Política Social pela Universidade Federal do Pará (1999), Mestrado em Política Social pela Universidade de Brasília (2003) e Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social do Departamento de Serviço Social - SER/UNB.- Brasília (2016). Professora Efetiva da Universidade do Estado do Pará (UEPA) desde 2008. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação Escolar Indígena (UEPA/UFPA/UNIFESSPA/UFOPA). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa sobre Violências, Tráfico e Exploração Sexual de Crianças, Adolescentes e Mulheres - Violes/SER/UnB e do Grupo interdisciplinar de Pesquisa em Sociedade, Saúde e Meio Ambiente na Amazônia da UEPA. Coordenadora da Campus XVII-UEPA-VIGIA/PA.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Geração.Brasil alcança 170 mil megawatts de capacidade instalada em 2019. [2020]. Disponível: https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao/-/asset_publisher/XGPXSqdMFHrE/content/brasil-alcanca-170-mil-megawatts-de-capacidade-instalada-em-2019/656877?inheritRedirect=false. Acesso em: 20 Abr. 2020.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Condições do apoio à implantação do aproveitamento hidrelétrico de Belo Monte. Disponível em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/produto/leiloes-infraestrutura/belo-monte. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Notícias. Comitê Gestor do PDRS do Xingu amplia diálogo e ações na região. Fevereiro de 2012. Disponível em: http://pac.gov.br/noticia/7ee109c3. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Ministério do Planejamento. PAC 2: a gente faz um Brasil de oportunidades: 11º Balanço 2011 a 2014. s/d. Disponível em: http://pac.gov.br/pub/up/relatorio/f9d3db229b483b35923b338906b022ce.pdf. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Ministério do Planejamento. PAC 2, ano 1, 3o Balanço 2011/2014. Março de 2012. Disponível em: http://pac.gov.br/pub/up/relatorio/9c1d00894e901bed0a319fd797668ae3.pdf. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Portal Brasil. Dilma inaugura Usina Hidrelétrica de Belo Monte. 5 de maio de 2016. Disponível em: http://pac.gov.br/noticia/7be96908. Acesso em: 5 jun. 2016.

COUTINHO, Carlos Nelson. Contra a corrente: ensaios sobre democracia e socialismo. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2008.

CRUZ, Renato. Sting e Raoni se unem contra a Hidrelétrica de Belo Monte. Jornal Estadão. Data: 22 de novembro de 2009. Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,sting-e-raoni-se-unem-contra-a-hidreletrica-de-belo-monte,470431. Acesso em: 22 maio 2015.

É A GOTA D’AGUA + 10. Publicado no Canal Uma Gota no Oceano, em 16 de novembro de 2011. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=DIpAbXsWH7U. Acesso em: 15 jun. 2014.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2013.

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2005.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Disponível em: https://www.socioambiental.org/pt-br. Acesso em: 29 set. 2020.

JORNAL GLOBO. G1. Arnold Schwarzenegger visita o Pará com James Cameron. Data: 23 de março de 2011. Disponível em: http://glo.bo/hVMhyw. Acesso em: 23 maio 2015.

MELO, Kátia Maria dos Santos. Lutas sociais e resistências na área de influência da Usina de Belo

Monte: a Amazônia no cenário da mundialização do capital. Tese (Doutorado em Política Social) – Departamento de Serviço Social, Universidade de Brasília, 2016.

NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

RODRIGUES, Edmilson Brito. Território e soberania na globalização: Amazônia, jardim de águas sedento. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SOMOS A FLORESTA. História e resistência: a vida pela Amazônia. Belém: Fundo Dema, 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-09