O Estado penal, o sistema prisional e a crise do humanismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-0259.2021.e75254

Palavras-chave:

Estado penal, Sistema prisional, Crise do humanismo, Contemporaneidade

Resumo

O presente trabalho busca apresentar a relação entre a constituição do Estado Penal brasileiro, o sistema prisional e a crise do humanismo. O objetivo é aferir a relação entre as categorias supramencionadas no tocante à construção e execução do arcabouço institucional que permeia a política prisional brasileira na contemporaneidade. Nesse sentido, busca-se lançar luzes ao sistema prisional e à naturalização das violações de direitos humanos nesse contexto aferidas, como produto da sociedade instituída a partir da crise do humanismo na contemporaneidade. O estudo em questão foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica e documental, tendo nas teorias de Lukács a inspiração para as reflexões aqui apresentadas. Dessa forma, compreende-se que a crise do humanismo, que potencializa o Estado Penal na contemporaneidade, permeou a formação social brasileira e, portanto, demonstra ser característica marcante de nossa sociabilidade, mostrando-se evidente na política prisional atualmente idealizada, planejada e executada no Brasil.

Biografia do Autor

Cibelle Doria da Cunha Bueno, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Militante de Direitos humanos, sobretudo em ações de contestação do Estado penal vigente, da prisão e da Justiça brasileira. Participou do Movimento Nacional de Direitos Humanos e do Grupo de Amigos e Familiares de Pessoas em Privação de Liberdade, em Minas Gerais. É Mestre em Serviço social pela Univeridade Estadual do Ceará - UECE. Estuda Justiça, prisão, criminologia midiática, encarceramento em massa no Brasil e a institucionalização das violações de direitos humanos no contexto prisional.

Referências

AGUIRRE, Carlos. Cárcere e Sociedade na América Latina (1800-1940). In: MAIA, Clarissa Nunes [et al] (org.). História das prisões no Brasil. vol 1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

ARAGÃO, Ivo Rezende. Movimento da Lei e Ordem: sua relação com a lei dos crimes hediondos. In: Revista Âmbito Jurídico.com, 2008. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=7938. Acesso em 02 de novembro de 2018.

ARENDT, Hannah. Sobre a Violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010

BARBOSA, Kelly de Souza; COELHO, Nuno Manuel M.S. A questão étnico-racial do sonho americano: o encarceramento dos pobres e pretos no Estado policial. In: Revista Brasileira de Segurança Pública, São Paulo, v.11, n.1, p.164-182, fev-mar, 2017.

BATISTA, Nilo; ZAFFARONI, E. Raul; ALAGIA, Alejandro; SLOKAR, Alejandro. Direito Penal Brasileiro: primeiro volume – Teoria Geral do Direito Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da pena de prisão: causas e alternativas, 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

BRASIL, Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN). Informações Penitenciárias (INFOPEN). Brasília, 2019.

GENELHÚ, Ricardo & SCHEERER, Sebastian. Manifesto para abolir as prisões. Rio de Janeiro: Revan, 2017.

JESCHECK, Hans Heinrich. Tratado de Derecho penal. Tradução Mir Puig e Francisco Muñoz Conde, Barcelona: Bosch, 1981.

LUKÁCS, Gyorgy. O Jovem Marx e outros escritos de filosofia. In: COUTINHO, C. e NETTO, J.P. (org). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

MENESES, Tobias Barreto de. Fundamentos do direito de punir. In: Revista dos Tribunais. São Paulo: Revista dos Tribunais, ano 85, v.727, mai/1996, p. 123-148.

MUÑOZ CONDE, Francisco. La resocialización de delincuente. Análisis y crítica de um mito. CPC, n. 7, Madrid, 1979.

NETO, Ranieri Mazzilli, Os caminhos do sistema penal, Rio de Janeiro: Revan, 2007.

PIMENTA, Victor Martins. Por trás das grades: o encarceramento em massa no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2018.

ROSAL, Manuel Cobo del & VIVES, T. Derecho Penal: Parte General, 5 ed. Spanish: Tirant Lo Blanch Paperback, 1999.

SPOSATI, A. Globalização da economia e processos de exclusão social. In: O significado sócio – histórico das transformações da sociedade contemporânea. Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 01. Brasília, CEAD, 1999.

XAVIER, Bruno Gadelha. O inimigo hipotético fundamental: quem és tu? Aproximações político-filosóficas. In: BATISTA, Vera. Malaguti, CARVALHO, Thiago Fabres. Política criminal e estado de exceção no Brasil: o direito penal do inimigo no capitalismo periférico. Rio de Janeiro: Revan, 2020, p. 21-76.

ZAFFARONI, Raul Eugenio. O inimigo no direito penal. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2ª ed, Pensamento Criminológico, n.14, 2007.

Downloads

Publicado

2021-04-09