A grande fronteira: Amazônia e a formação do sistema agroextrativista global

Autores

Palavras-chave:

Capital extrativo agrário, Amazônia, Neoliberalismo, Fronteira extrativa agrária

Resumo

Este artigo situa a Amazônia no processo histórico de formação da fronteira extrativa agrária, a partir da dinâmica de apropriação da terra e do território, extração de recursos e exploração do trabalho, que se inicia no período colonial, moldando o desenvolvimento do capitalismo no Brasil. A análise foi realizada tendo três eixos principais: i) a formação da
fronteira extrativa agrária e a inserção da Amazônia nesse processo histórico; ii) a natureza extrativa da economia neoliberal, a partir do conceito de acumulação por espoliação; iii) a compreensão do subdesenvolvimento da Amazônia, a partir da ruptura dos sistemas ecológicos, sociais e produtivos, provocada pelos sucessivos ciclos extrativos que marcaram a inserção da região na economia global. Tais processos abriram caminho para a apropriação generalizada dos recursos e espoliação das comunidades amazônicas, atendendo às demandas de acumulação do capital extrativo agrário, em um contexto histórico de radicalização do neoliberalismo.

Biografia do Autor

Gabriel Domingues, Universidade de Brasília

Mestre em Ecologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável (PPGCDS), da Universidade de Brasília (UnB)

Sérgio Sauer, Universidade de Brasília

Doutor em Sociologia (PPG-SOL) pela Universidade de Brasília (UnB)
Professor da Universidade de Brasília (UnB), Faculdade UnB Planaltina, Programa de Pós-Graduação em
Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural (PPG-Mader) e PPGCDS

Referências

BECKER, B. K. Amazônia: geopolítica na virada do III Milênio. Rio de Janeiro: Garamond, 2009b.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia. In: VIEIRA, I. C. G. (org.). As Amazônias de Bertha K. Becker: ensaios sobre geografia e sociedade na região amazônica: vol. 3. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. p. 451-470.

BECKER, B. K. Por que a participação tardia da Amazônia na formação econômica do Brasil? In: ARAÚJO, T. P.; VIANNA, S. T. W.; MACAMBIRA J. 50 anos de formação econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro, 2009a, p. 471-503.

BECKER, B. K. Signification actuelle de la fronteire: une interpretation géopolitique a partir Du cas de l’Amazonie Brèsilienne. Cahiers des sciences humaines, v. 22, n. 3/4, 1986.

BRANDÃO, C. Acumulação primitiva permanente e desenvolvimento capitalista no Brasil contemporâneo. In: ALMEIDA, A. W. B. et al. Capitalismo globalizado e recursos territoriais: fronteiras de acumulação no Brasil contemporâneo. Rio Janeiro: Lamparina, 2010, p. 39-70.

BUNKER, S. Modes of Extraction, unequal exchange, and the progressive underdevelopment of an extreme periphery: the Brazilian Amazon, 1600-1980. American Journal of Sociology, v. 89, n. 5, p. 1017-1064, 1984.

BUNKER, S. Underdeveloping the Amazon: extraction, unequal exchange and the failure of the modern state. Chicago: University of Chicago Press, 1988.

CASTRO, E. M. R. de. Amazônia na encruzilhada: saque colonial e lutas de resistência. In: CASTRO, E. M. R. de. Territórios em transformação na Amazônia: saberes, rupturas e resistências. Belém: NAEA, 2017. p. 19-48.

CASTRO, J. R. As commodities e seu impacto na economia do Brasil. Nexo Jornal, São Paulo, 31 mar. 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/explicado/2016/03/31/As-commodities-e-seu-impacto-na-economia-do-Brasil. Acesso em: 27 fev. 2020.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

HARVEY, D. O novo imperialismo. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

HENNESSY, A. The Frontier in Latin American History. Albuquerque: University of New Mexico, 1978.

MARTINS, J. de S. O tempo da fronteira: retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social: Rev. Social USP, São Paulo, n. 1, p. 25-70, 1996.

MOREIRA, R. Sociedade e Espaço Geográfico no Brasil: constituição e problemas de relação. São Paulo: Contexto, 2011.

PEREIRA, L. I. Matopiba: dos ajustes espaciais do agronegócio ao território de esperança do campesinato. Revista NERA, Presidente Prudente, v. 22, n. 47, p. 09-21, 2019.

PINEAULT, É. The capitalist pressure to extract: the ecological and political economy of extreme oil in Canada. Studies in Political Economy, v. 99, n. 2, p. 130-150, 2018.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Amazônia: encruzilhada civilizatória: tensões territoriais em curso. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

SAFRANSKY, S.; WOLFORD, W. Contemporary land grabs and their alternatives in the Americas. Prepared for the International Conference on Global Land Grabbing to be held at the Institute for Development Studies, University of Sussex, April 6-8, 2011.

SAUER, S.; BORRAS, J. S. ‘Land grabbing’ e ‘green grabbing’: uma leitura da ‘corrida na produção acadêmica’ sobre a apropriação global de terras. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, v. 11, n. 23, p. 6-42, jul. 2016.

SAUER, S.; OLIVEIRA, K. R. A. Agrarian extractivism in the Brazilian Cerrado. In: McKAY, B. M.; ALONSO-FRADEJAS, A.; EZQUERRO-CAÑETE, A. Agrarian Extractivism in Latin America. New York, Routledge, 2021, p. 64-84.

SCHITTINI, G. de M. Políticas públicas, conservação e movimentos sociais em uma área de expansão de fronteira: a criação de unidades de conservação no âmbito do Plano BR 163 sustentável. 2009. Dissertação (mestrado) – Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, 2009.

SVAMPA, M. Latin American development: perspectives and debates. Maristella Svampa, Socióloga, escritora e investigadora, Córdoba, 2014. Disponível em: http://maristellasvampa.net/wp-content/uploads/2019/12/Svampa-Latin-American-Development-Perspectives-and-Debates.pdf. Acesso em: 16 maio 2021.

SVAMPA, M. Neoextractivism and enclosure of the commons in Latin America. The South Atlantic Quarterly, v. 114, n. 1, p. 65-82, jan. 2015.

TURNER, F. J. The frontier in american history. New York: Robert E, Krieger Publishing CO, 1976.

VIEIRA, I. C. G.; SANTOS JUNIOR, R. A. de O.; TOLEDO, P. M. de. Dinâmicas Produtivas, transformações no uso da terra e sustentabilidade na Amazônia. In: SIFFERT, N.; CARDOSO, M.; MAGALHÃES, W. de A.; LASTRES, H. M. M. Um olhar territorial para o desenvolvimento: Amazônia. BNDES, 2014. p. 370-395.

WEBB, W. P. The Great Frontier. University of Texas Press, 1979.

WOLFORD, W. The Plantationocene: A Lusotropical contribution to the theory. Annals of the American Association of Geographers. Ithaca, Cornell University, 2021.

YE, J. et al. The incursions of extractivism: moving from dispersed places to global capitalism. The Journal of Peasant Studies, v. 47, n. 1, 155-183, 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-28