A “liberdade” do trabalho e as armadilhas do salário por peça

Autores

  • Maria Augusta Tavares UFPB - João Pessoa - PB
  • Roberta Oliveira Trindade de Lima UFPB - João Pessoa - PB

Palavras-chave:

Trabalho, Liberdade, Autonomia, Salário por peça, Questão social, Labor, Liberty, Autonomy, Piece work, Social question

Resumo

O artigo analisa as relações de produção na agroindústria canavieira, apontando o salário por peça como um mecanismo utilizado pelo capital para intensificar a capacidade produtiva dos trabalhadores e aumentar a exploração. Objetiva-se demonstrar que essa modalidade de salário, que se ajusta à acumulação flexível, longe de garantir a autonomia e a liberdade prometidas, reduz o tempo de trabalho socialmente necessário, portanto, também, o valor da força de trabalho. No desenvolvimento dessa análise, as autoras lançam mão de categorias econômicas marxistas, para tornar claro que malgrado os propósitos que consubstanciam as leis de proteção ao trabalho, estas não resistem às determinações do capital. Pretende-se, portanto, evidenciar a incompletude da política frente à totalidade da questão social.

Biografia do Autor

Maria Augusta Tavares, UFPB - João Pessoa - PB

Doutorado em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Roberta Oliveira Trindade de Lima, UFPB - João Pessoa - PB

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Orientadora: Maria Augusta Tavares.

Downloads

Publicado

2009-01-01