Limites e possibilidade da construção de “territórios de desenvolvimento” na Região Serrana do Rio de Janeiro

Maria José Carneiro, Betty Nogueira Rocha

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2009v8n14p251

O artigo propõe uma avaliação de dois projetos intermunicipais envolvendo agricultores familiares na construção social de territórios de desenvolvimento. Partiu-se da hipótese de que a construção dessa territorialidade é mediada por uma cultura política que imprime limites e condiciona as dinâmicas territoriais. O município de Nova Friburgo foi assumido como ponto de referência para o mapeamento de projetos e/ou ações mobilizando agricultores multifuncionais sediados em outras municipalidades da região serrana do Rio de Janeiro. Com base numa caracterização cursiva da trajetória de desenvolvimento do universo selecionado e na problematização da categoria de território, as autoras procuram elucidar de que maneira um traço constitutivo da sociedade brasileira – a patronagem e o clientelismo – opera na tentativa de construção territorial que tem os agricultores familiares como atores sociais e principais beneficiários das políticas públicas acionadas nos últimos tempos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2009v8n14p251

Direitos autorais 2009 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES