Identidade, reconhecimento e redistribuição: uma análise crítica do pensamento de Charles Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser

Autores

  • Javier Amadeo Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p242

Palavras-chave:

Identidade, Reconhecimento, Redistribuição, Taylor, Honneth, Fraser

Resumo

A política de identidade e o conceito de reconhecimento têm se transformado em questões dominantes da teoria política contemporânea. Como conceito, o reconhecimento significa que um indivíduo ou grupo social reivindica o direito a ter sua identidade reconhecida, de forma direta ou através da mediação de um conjunto de instituições. As teorias que tem problematizado estas questões abordam tanto temas teóricos importantes como questões políticas centrais do nosso tempo, como a definição de direitos das minorias, reivindicações de autodeterminação nacional ou os desafios colocados por nossas sociedades cada dia mais multiculturais. Dessa forma, o objetivo central do presente artigo é apresentar e discutir os argumentos centrais de Charles Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser que têm se transformando em essenciais para esta discussão, enfatizando o debate em torno da relação entre reconhecimento e redistribuição, e mais especificamente entre o problema da injustiça baseada na questão da identidade e o problema da injustiça econômica. Por último, tentaremos entender algumas das implicações teóricas e políticas do discurso da diferença e das teorias do reconhecimento dentro de uma perspectiva conceptual mais ampla.

Biografia do Autor

Javier Amadeo, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Downloads

Publicado

2017-06-09

Edição

Seção

Artigos