Aprendizado coletivo e socialização num processo de transição ecológica: o caso dos viticultores orgânicos e biodinâmicos da Côte de Beuane

Autores

  • Jaime Montes-Lihn Université Paris Dauphine

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p403

Palavras-chave:

Aprendizado Coletivo, Sociologia Econômica, Exponential Radom Graph Models, Agricultura Orgânica, Agricultura Biodinâmica, Redes Sociais, Viticultura

Resumo

Os viticultores que enfrentam a transição em direção da agricultura orgânica apoiam-se fortemente em redes informais de conselho entre parceiros. Pouca atenção tem sido dada até agora ao impacto dos valores dos agentes no processo de aprendizado coletivo, ainda que a literatura tenha demonstrado que os valores cumprem um papel importante tanto na transição ecológica (Lamine et al. 2009) como no intercambio de conselhos informais (Nahapiet et al. 1998). O presente artigo examina o efeito dos valores ecológicos dos agentes numa rede completa composta por um mileu profissional de mais de 60 viticultores orgânicos e biodinâmicos da região de Borgonha, na França. Mediante exponential random graph models, são analisados não só os valores dos viticultores, como também seu contexto relacional mais amplo, com a presença de subestruturas de transitividade e a existência de relações pre-existentes que podem influenciar a rede de conselhos. Os resultados mostram que os valores dos viticultores influem na seleção de colegas aos quais se demandam conselhos. Dois processos de aprendizado simultâneos têm sido identificados: o primeiro está caracterizado pela colaboração mutua entre viticultores que tem uma grande experiência e compartilham os mesmos valores ecológicos. O segundo processo está associado com um processo de socialização que conduz à transmissão das normas sociais deste mileu.

Biografia do Autor

Jaime Montes-Lihn, Université Paris Dauphine

PhD in Sociology

Downloads

Publicado

2017-06-09

Edição

Seção

Artigos