Associativismo no Brasil contemporâneo: dimensões institucionais e individuais

Lígia Helena Hahn Lüchmann, Carla Almeida, Luana do Rocio Taborda

Resumo


O trabalho analisa permanências e mudanças nos padrões de participação associativa no Brasil a partir de duas unidades de análise: a dimensão referente ao volume e às características do tecido associativo, e a dimensão do engajamento dos indivíduos em associações. A primeira explora a evolução recente do associativismo no país, que é medido pelo número, pelo perfil e pela área de atuação das associações. A segunda considera essa evolução da participação no âmbito do engajamento individual, tomando-se o número de pessoas que alega participar de associações. Para tanto, o trabalho está embasado em dados de pesquisas de opinião pública do projeto World Values Survey e nos estudos sobre Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil (FASFIL)/Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e sobre o Perfil das Organizações da Sociedade civil do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Os dados mostram que, nas últimas décadas, o Brasil testemunhou um importante crescimento na criação de associações – e que se refletiu na maior diversificação interna desse universo – embora o número de indivíduos engajados não tenha acompanhado esse crescimento. Sugerimos que a ampliação do associativismo se refletiu apenas seletivamente no plano do engajamento individual, e que o perfil específico de associações que encontrou terreno favorável ao crescimento no período, de caráter mais profissionalizado, ajuda a compreender a diferença apontada nas duas dimensões.


Palavras-chave


Associativismo; Sociedade Civil; Participação Política; Engajamento Associativo; Democracia

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, C. C. R. Conselhos gestores e regulação: a assistência social em tempos de transição. Política & Sociedade, v. 8, n. 15, p. 251-269, 2009.

ALONSO, A. Associativismo avant la lettre: as sociedades pela abolição da escravidão no Brasil oitocentista. Sociologias, Porto Alegre , v. 13, n. 28, p. 166-199, 2011.

AVRITZER, L. Um desenho institucional para o novo associativismo. Lua Nova, n. 39, p. 149-174, 1997.

CASEY, J. Comparing Nonprofit Sectors Around the World. What Do We Know and How Do We Know It? Journal of Nonprofit Education and Leadership, Vol. 6, No. 3, p. 187–223, 2016.

COHEN J.; ROGERS, J. Associations and Democracy. London: Verso, 1995.

DALTON, R.; WELZEL, C. (Ed.). The Civic Culture Transformed: From Allegiant To Assertive Citizens. New York: Cambridge University Press, 2014.

DOIMO, A. M. Pluralidade religiosa à brasileira, associativismo e movimentos sociais em São Paulo. In: AVRITZER, L. (org.) A participação em São Paulo. São Paulo: Editora UNESP, p. 123-196, 2004.

GARCÍA-ESPÍN, P; GANUZA, E. Participatory skepticism: ambivalence and conflict in popular discourses of participatory democracy. Qualitative Sociology, October 2017.

GURZA LAVALLE, A.; BARONE, L. S. Conselhos, associações e desigualdades. In. ARRETCHE, M. (org): Trajetória das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. SP: UNESP, 2015.

GURZA LAVALLE, A. SZWAKO, J. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública (UNICAMP), v. 21, p. 157-187, 2015.

INGLEHART, R.; WELZEL, C. Modernization, Cultural Change, and Democracy: The Human Development Sequence. New York, Cambridge University Press, 2005.

IBGE. Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2010. Estudos e Pesquisas Informação Econômica, número 20, Rio de Janeiro, 2012.

LANDIM, L. Associações no Brasil: comentários sobre dados oficiais recentes. Democracia Viva, Rio de Janeiro: IBASE, v. 28, p. 76-85, 2005.

LANDIM, L. Múltiplas Identidades das ONGs. In: HADDAD, S. (Org.) ONGs e Universidades. Desafios para a cooperação na América Latina. São Paulo: Fundação Petrópolis, p. 17-50, 2002.

LOPEZ, F.; BARONE, L. As entidades sem fins lucrativos e as políticas públicas federais: tipologia e análise de convênios e organizações (2003-2011). Coleção Textos para discussão, IPEA. 2013.

LÜCHMANN, L. H. H. Associações e democracia. Um estudo em Florianópolis. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

LÜCHMANN, L. H. H. Modelos contemporâneos de democracia e o papel das associações. Revista de Sociologia e Política, v. 20, p. 59-80, 2012.

LUCHMANN, L. H. H. Associações, participação e representação: combinações e tensões. Lua Nova, n.84, p.141-174, 2011.

LÜCHMANN, L. H. H; ALMEIDA, C.; GIMENES, E. Gênero e representação política nos Conselhos Gestores no Brasil. Dados, p.789-822, 2016.

NUNES, R. Geração, acontecimento, perspectiva. Pensar a mudança a partir do Brasil. Nueva Sociedad, Especial em Português, p. 14-26, 2014.

OKADO, L. T. A. ; RIBEIRO, E. Condição juvenil e participação política no Brasil. Paraná Eleitoral, v. 4, 2015, p. 53-78.

RIBEIRO, E. A.; BORBA, J. Participação política na América Latina. 1. ed. Maringá: EDUEM, 2015, 159p.

SALAMON, L. M. Putting the Civil Society Sector on the Economic Map of the World. Annals of Public and Cooperative Economics, 81:2, p. 167–210, 2010.

SALAMON, L.; SOKOLOWSKI, S. W.; HADDOCK, M. Explaining Civil Society Development. A Social Origins Approach. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2017.

SANTOS, W. G. Razões da desordem. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

SCHERER-WARREN, I. Associativismo civil em Florianópolis – da ditadura à redemocratização. In: SCHERER-WARREN, I.; CHAVES, I. M. (Org) Associativismo civil em Santa Catarina. Trajetórias e tendências. Fpolis: Ed. Insular, 2004.

TEIXEIRA, A. C. C. Identidades em construção. As Organizações Não-Governamentais no processo brasileiro de democratização. SP: Annablume, 2008.

SCHLOZMAN, K. L.; VERBA, S.; BRADY, H. E. The Unheavenly Chorus. Unequal Political Voice and the Broken Promise of American Democracy. Princeton: Princeton University Press, 2012.

VERBA, S; SCHLOZMAN, L. K.; BRADY, H. E. Voice and Equality: Civic Voluntarism in American Politics. Cambridges: Havard Press, 1995.

VIEIRA, Liszt. Os argonautas da cidadania. A sociedade civil na globalização. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001.

WARREN, M. Democracy and Association. Princeton: Princeton University, 2001.

WORLD VALUES SURVEY Wave 6 2010-2014 OFFICIAL AGGREGATE v.20150418. World Values Survey Association (www.worldvaluessurvey.org). Aggregate File Producer: Asep/JDS, Madrid SPAIN.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2018v17n40p307

Direitos autorais 2018 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES