A modernidade: uma nova (era) cultura axial?

Wolfgang Schluchter

Resumo


A proposição de uma era axial, durando aproximadamente entre 800 e 200 a.C. e ocorrendo nas principais civilizações do mundo antigo (China, Índia e Oriente Próximo), independentes umas das outras, foi primeiramente introduzida por Alfred Weber e Karl Jaspers.  Posteriormente ela foi desenvolvida por Robert Bellah e Shmuel Eisenstadt, entre outros, e procurava entender desde o início se teria havido uma segunda era axial que nos conduziu à modernidade e, em caso afirmativo, se ela consiste em uma secularização das conquistas da primeira era axial. Neste artigo argumenta-se que a noção de segunda era axial é significativa, mas que a emergência da modernidade não pode ser explicada em termos de secularização das realizações da primeira era axial. Ao invés, institucionalizou-se um novo princípio axial que separa o mundo moderno do pré-moderno. Esse novo princípio é enunciado com referência a Hans Blumenberg, Charles Taylor e, sobretudo, Max Weber. A ênfase encontra-se na dialética do desencantamento e no lugar da religião em uma era secular.


Palavras-chave


Primeiro e segundo princípio axial; Dialética do desencantamento; Religião em uma era secular

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n36p20

Direitos autorais 2017 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES