Fundações partidárias e processos de politização no Brasil: domínio de atuação, amálgamas e ambivalências

Eliana Tavares dos Reis, Igor Gastal Grill

Resumo


O artigo analisa o espaço das fundações partidárias no Brasil. Esse domínio de atuação é percebido como veículo e reflexo de processos de politização. O estudo está alicerçado em dois eixos: 1) a configuração (estrutural e sociográfica) dessas entidades e a relativa autonomia ou dependência que possuem vis-à-vis às organizações partidárias; 2) as intersecções possíveis entre lógicas e domínios políticos e intelectuais a partir da exploração desse âmbito específico de atuação. São, então, cotejados dados referentes à emergência e à cronologia de criação das fundações partidárias, à estrutura organizacional das mesmas (sites; sedes; setores; divisão de tarefas/papéis; exigências de especialistas variados; produtos como livros, revistas, cursos; receitas; etc.) via informações disponíveis na internet, bem como ao perfil social, político e cultural dos presidentes e ex-presidentes. Foi examinado ainda especificamente o caso da Fundação Perseu Abramo do Partido dos Trabalhadores.

Palavras-chave


Fundações; Elites; Intelectuais; Partidos; Politização

Texto completo:

PDF/A

Referências


BADIE, B.; HERMET, G. Política Comparada. Cidade do México: Fondo de Cultura, 1993.

BRASIL. Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995. Dispõe sobre as regras de adequação

de institutos ou fundações de pesquisa e de doutrinação e educação política de partidos

políticos às normas estabelecidas no Código Civil de 2002. Disponível em:

jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/normas-editadas-pelo-tse/resolucao-nb0-22.121-de-1b0-dedezembro-

de-2005-brasilia-2013-df>. Acesso em: 16 maio 2015.

______. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em:

. Acesso em: 16 maio 2015.

______. Resolução nº 22.121, de 1º de dezembro de 2005. Dispõe sobre partidos políticos,

regulamenta os arts. 17 e 14, § 3º, inciso V, da Constituição Federal. Disponível em:

www.tse.jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/normas-editadas-pelo-tse/resolucao-nb0-22.121-

de-1b0-de-dezembro-de-2005-brasilia-2013-df>. Acesso em: 16 maio 2015.

BRIQUET, J-L. Pertencimentos locais, experiências cotidianas e práticas políticas: clientelismo

e politização na Córsega. REPOCS – Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 3, n. 27,

p. 17-32, fev. 2017.

COLLOVALD, A. De la défense des pauvres nécessiteux à l’humanitaire expert. Reconversion

et métamorphoses d’une cause politique. Politix, Paris, n. 56, p. 135-161, 2001.

CORADINI, O. L. Elites culturais e concepções de política no Rio Grande do Sul. Relatório

de Pesquisa para o (CNPq). Porto Alegre, 1998.

______. Politização de interesses através de frentes parlamentares. Tomo, São Cristóvão,

n. 13, p. 75-92, jul. 2008.

______. Os usos das ciências humanas e sociais pelo catolicismo e pelo luteranismo e as

relações centro/periferia. REPOCS – Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 9, n. 17,

p. 67-99, jan. 2012.

DÉZALAY, Y; GARTH, B. A dolarização do conhecimento técnico-profissional do Estado:

processos transnacionais e questões de legitimação na transformação do Estado (1960-2000).

Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 43, p. 163-175, abr. 2000.

DOBRY, M. Sociologie des crises politiques. Paris: Presses de la Fondation Nationale des

Sciences Politiques, 1992.

ELIAS, N. Estudos sobre a gênese da profissão naval. In. NEIBURG, F. e WAIZBORT, L.

(orgs.). Escritos & ensaios. Vol. 1: Estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro, Jorge

Zahar, 2006.

Fundação Perseu Abramo. 2016. Disponível em: .

Acesso em: 16 maio 2015.

Fundação Friedrich-Ebert -Stiftung. Friedrich Ebert. 2017. Disponível em:

. Acesso em: 28 maio 2015.

Fundação Friedrich Naumann . 2015. Disponível em:

Vertretung/brasilien/pt/07>. Acesso em: 16 maio 2015.

Fundação Heinrich Böll. Quem somos. Disponível em:

/03/11/quem-somos-0>. Acesso em: 16 maio 2015.

GRILL, I. G. Heranças políticas no Rio Grande do Sul. São Luís: EDUFMA, 2008.

______.; REIS, E. T. dos. Elites parlamentares e a dupla arte de representar. Rio de Janeiro:

Editora da FGV, 2016.

______.; ______. O que escrever quer dizer na política? Carreiras políticas e gêneros de

produção escrita. REPOCS – Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 9, n. 17, 101-121,

jul. 2012.

______.; ______. A universidade como ‘viveiro’ de vocações políticas. REPOCS – Revista

Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 12, n. 23, p. 61-90, jan. 2015.

LACROIX, B. Ordre politique et ordre social: Objetivisme, objetivation et analyse politique.

In: GRAWITZ, M.; LECA, J. (Org.). Traité de Science Politique. Paris. PUF, 1985. v. 1.

p. 469-565.

LAGROYE, J. Les processus de politisation. In: ______. (Org.). La politisation. Paris: Belin,

p. 359-372.

MATONTI, F.; POUPEAU, F. O capital militante. Uma tentativa de definição. Plural, São

Paulo, n. 13, p. 127-133, jul. 2006.

MEDVETZ, T. Think tanks as an emergente fiel. The Social Science Research Council,

p. 1-10, out. 2008.

OFFERLÉ, M. Les Partis Politiques. Paris: PUF, 1987.

______. Mobilisations électorales et invention du citoyen: l’exemple du milieu urbain

français à la fin du XIX siècle. In: GAXIE, D. (Org.). Explication du Vote. Paris: Presses de la

Fondation Nationale des Sciences Politiques, 1989. p. 149-174.

Part ido SocialDemocrata Alemão. 2014. Disponível em:

rls.org.br>. Acesso em 7 abr. 2014.

PARTIDO TRABALHISTA BRASILEIRO. 2015. Disponível em: . Acesso

em: 20 maio 2015.

PÉCAUT, D. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática,

PRADO, S. de A. O Papel das fundações partidárias na consolidação da democracia brasileira.

Jurisway. Disponível em: . Acesso

em: 10 set. 2017.

REIS, E. T. dos. O Iepes do Rio Grande do Sul: ‘guarda-chuva’ institucional e ‘universidade

política’ para militantes da esquerda durante o regime militar. Dimensões. Revista de História

da UFES, Vitória, n. 16, p. 33-56, 2004.

______.;Trajetórias, espaços e repertórios de intervenção política: um estudo sobre os

militantes que lutaram contra a ditadura no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: ZOUK; São

Luís: EDUFMA, 2015.

REIS, E. T. dos; GRILL, I. G. Letrados e votados: lógicas cruzadas do engajamento político

no Brasil. Tomo, Aracajú, v. 13, p. 127-168, 2008.

______.; GRILL, I. G. Trajetórias de multinotabilidades: reconfigurações históricas e

condicionantes sociais das inscrições políticas e culturais de parlamentares brasileiros. Revista

Dados, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, p. 40-71, set. 2015.

______.; GRILL, I. G. Mirada reflexiva e esforços propositivos às pesquisas sobre elites. In:

______.; ______. (Org.). Estudos sobre elites políticas e culturais: reflexões e aplicações

não canônicas. São Luís: EDUFMA, 2016. p. 9-48.

______.; ______. Estudos de elites políticas e as bases das multinotabilidades dos profissionais

da representação no Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 29, n. 2, 2017. p. 137-159.

SAPIRO, G. (Org.). L’espace intellectuel en Europe: de la formation des États-nations à la

mondialisation (XIX-XXI siècle). Paris: La Découverte, 2009.

______. Modelos de intervenção política dos intelectuais: o caso francês. REPOCS – Revista

Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 9, n. 17, p. 19-50, jan. 2012.

Siciliano M. A. B. J. O velamento das fundações de direito privado. 2012. Jurisway.

Disponível em: https://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=9194. Acesso em: 20 mai.

SORJ, B. A construção intelectual do Brasil contemporâneo: da resistência à ditadura ao

governo FHC. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

TEIXEIRA, T. Os think tanks e sua influência na política externa dos EUA – a arte de

pensar o impensável. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2007.

WACQUANT, L. Sobre a América como profecia auto-realizável. In: LINS, D.; WACQUANT,

L. (Org.) Repensar os Estados Unidos: por uma sociologia do superpoder. Campinas:

Papirus, 2003. p. 7-11.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n37p143

Direitos autorais 2018 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES