Discursos parlamentares sobre a Amazônia: sobre o que falam os deputados brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2020.e66962

Palavras-chave:

Amazônia, Meio ambiente, Discurso político, Discurso parlamentar

Resumo

Analisa os discursos parlamentares sobre a Amazônia brasileira (2000-2017). O objetivo é examinar como o tema foi tratado na arena legislativa, sob quais perspectivas e que argumentos são acionados pelos deputados. O corpus compreende 2.778 pronunciamentos, que foram categorizados em 25 temas para a análise de conteúdo, com o auxílio do software NVivo. As principais conclusões mostram que o valor da terra como insumo para a produção agrícola e pecuária é o argumento predominante nos debates, destoando do discurso internacional de viés florestal. O debate é conduzido pela agenda do Poder Executivo, especialmente no que se refere aos seguintes temas: desmatamento, clima, regularização fundiária, áreas de preservação e terras indígenas. O discurso parlamentar dominante reforça a tese de antiecologismo do Congresso Nacional, com um nítido alinhamento à perspectiva ambientalista liberal voltada para a defesa do agronegócio.

Biografia do Autor

Antonio Teixeira de Barros, Centro de Formação da Câmara dos Deputados

Doutor em Ciências Sociais. Docente e pesquisador do Programa de Mestrado em Ciência Política do Centro de Formação da Câmara dos Deputados

Referências

ACCIOLY, I.; SÁNCHEZ, C. Antiecologismo no Congresso Nacional. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n.25, p.97-108, 2012.

AUGÉ, M. Não-lugares. Papirus Editora, 1994.

ALMEIDA, M. W. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 2004.

BARROS, A. T. Política partidária e meio ambiente: a adesão dos partidos políticos brasileiros à agenda verde. Opinião Pública, v.21, n.3, p. 693-733, 2015.

BARROS, A. T. Visões do paraíso: o discurso oficial brasileiro sobre meio ambiente. Latinoamerica, v.44, p. 129-156, 2007.

BRYANT, R.; BAILEY, Si. Third world political ecology. Routledge. Londres, 1997.

BUENO, Magali Franco. Natureza como representação da Amazônia. Espaço e Cultura. N. 23. Rio de Janeiro: UERJ, 2008.

DRYZEK, J. The Politics of the Earth: environmental discourses. New York: Oxford University Press, 1997.

FARHI NETO, L. Concepções filosóficas ambientalistas. International Journal for Moral Philosophy,v.5, n.3 (2006):33-56.

FEARNSIDE, P. M. Deforestation in Brazilian Amazonia. Conservation Biology, v.19, n.3, p.680-688, 2006.

LATOUR, B. Políticas da natureza. Edusc, 2004.

LANDOWSKI, É. Le débat parlementaire et l'écriture de la loi. Revue française de science politique,v.27, n. 3,p.428-441,1977.

LIMONGI, F.; FIGUEIREDO, A. Poder de agenda e políticas substantivas. Legislativo brasileiro em perspectiva comparada. Belo Horizonte: UFMG, 2009, p.77-104.

MEDINA, G. Governança local para manejo florestal na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais,v. 27, n.78, 2012.

MIGUEL, L. F.; FEITOSA, F. O gênero do discurso parlamentar: mulheres e homens na tribuna da Câmara dos Deputados. Dados, v.52, n.1, 2009.

MOLON, A. Requerimento de Registro da Frente Parlamentar Ambientalista. Brasília: Câmara dos Deputados, 03 de abril de 2019. Disponível em: https://www.camara.leg.br/internet/deputado/Frente_Parlamentar/54012-integra.pdf Consultado em 08/08/19.

MOREIRA, D. C. Com a palavra os nobres deputados: frequência e ênfase temática dos discursos dos parlamentares brasileiros. Tese de Doutorado (Ciência Política). Universidade de São Paulo, 2016.

PAIVA, C. G. Uma viagem pelo discurso parlamentar. 2006. 122 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). UnB, Brasília, 2006.

RODRIGUES, R. C. O ambientalismo liberal e as exigências conceituais de uma ética genuinamente ambiental. International Journal for Moral Philosophy,v.5, n.3, p. 165-177, 2006.

SALLES, P. B. Filiações teóricas do ambientalismo liberal, libertário e socialista. International Journal for Moral Philosophy, v.5, n.3, p. 57-67,2006.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Editora Peirópolis LTDA, 2005.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, C. F. Desenvolvimento sustentável ou do capital “tingido de clorofila”. Anais do IV Encontro Brasileiro de Educação. São José do Rio Preto – SP, 2009.

SILVA, D.P.A.; FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA, A.H. O poderoso NVivo: uma introdução a partir da análise de conteúdo. Revista Política Hoje, v. 24, n. 2, p. 119-134, 2015.

ZHOURI, A. O ativismo transnacional pela Amazônia. Horizontes Antropológicos, v.12, n.25 (2006): 139-169.

Downloads

Publicado

2021-01-29