Laisser aller e respeito agonístico: considerações sobre as apropriações agonísticas da filosofia de Nietzsche

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2020.e71200

Palavras-chave:

Nietzsche, Agonismo, Democracia, Respeito Agonístico

Resumo

Neste artigo analisamos o uso que os teóricos agonísticos da democracia tem feito da filosofia de Nietzsche com foco em uma de suas principais proposições normativas: a ideia de “respeito agonístico”. Na primeira seção apresentamos características gerais da apropriação da filosofia de Nietzsche pelos teóricos agonísticos da democracia. Na segunda seção apresentamos o que William Connolly e Lawrence Hatab entendem por “respeito agonístico” e “respeito democrático”. Na terceira seção criticamos estas apropriações da filosofia de Nietzsche a partir de textos do próprio Nietzsche, apontando alguns limites da noção de respeito agonístico e sustentando que estes teóricos utilizam Nietzsche para promover uma ética do laisser aller que foi duramente criticada por ele.

Biografia do Autor

Jean Gabriel Castro da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutorado em Ciência Política (USP)

Pós-doutorado em Filosofia (Brown University/EUA)

Professor de Ciência Política no Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC

Referências

ACAMPORA, Christa Davis. Demos Agonistes Redux: Reflections on the Streit of Political Agonism. In: Nietzsche-Studien, 32 (2003): 373-389.

ACAMPORA, Christa Davis. As Disputas de Nietzsche. Florianópolis: EdUFSC, 2018.

APPEL, A. Nietzsche contra Democracy. Ithaca: Cornell University Press, 1999.

BEINER, Ronald. Foucault's Hyper-Liberalism. In: Critical Review 9 (Summer 1995), 349-70.

BROBJER, Thomas. Nietzsche´s Ethics of Character: A Study of Nietzsche´s Ethics and its Place in the History of Moral Thinking. Uppsala: Uppsala University, 1995.

CONNOLLY, W. E. Political Theory and Modernity. Oxford: Blackwell, 1988.

CONNOLLY, W. E. Identity/Difference. Ithaca NY: Cornell University Press, 1991.

CONNOLLY, W. E. The Ethos of Pluralization. Minneapolis MN: University of Minnesota Press, 1995.

CONNOLLY, W. E. Why I am Not a Secularist. Minneapolis MN: University of Minnesota Press, 1999.

CONNOLLY, W. E. The nobility of democracy. In: J. A. FRANK and J. TAMBORNINO (org.), Vocations of Political Theory. Minneapolis MN: University of Minnesota Press, 2000.

CONNOLLY, W. E. Politics and vision. In: BOTWINICK, A. and CONNOLLY, W. E. (eds). Democracy and Vision: Sheldon Wolin and the vicissitudes of the political. Princeton NJ: Princeton University Press, 2001.

CONNOLLY, W. E. Pluralism. Durham: Duke University Press, 2005.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Porto: Res Editora, 2001.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs. Vol. 1. São Paulo: Editora 34, 1995.

DETWILER, Bruce. Nietzsche and the Politic of Aristocratic Radicalism. Chicago: The University of Chicago Press, 1990.

DOMBOWSKY, Don. Nietzsche’s Machiavellian politics. New York: Palgrave MacMillan, 2004.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos IV. Estratégia Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel; AFARY, J.; ANDERSON, K (eds). Foucault e a Revolução Iraniana. São Paulo: É Realizações, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo, Graal: 2012.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HATAB, Lawrence. A Nietzschean Defense of Democracy: An Experiment in Postmodern Politics. Illinois: Open Court, 1995.

HATAB, Lawrence. ¬¬Prospects for a Democratic Agon: Why We Can Still Be Nietzscheans. In: The Journal of Nietzsche Studies. New York: Issue 24, pp. 132-147, Fall 2002.

LAMPERT, Laurence. Leo Strauss and Nietzsche. Chicago: University of Chicago Press, 1996.

LEITER, Brian. Nietzsche on Morality. London: Routledge, 2002;

LOPES, Rogério. Há espaço para uma concepção não moral da normatividade prática em Nietzsche? Notas sobre um debate em andamento. Em: Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 33, p. 89-134, 2013.

MARTON, Scarlett. Voltas e reviravoltas acerca da recepção de Nietzsche na França. Em: Nietzsche, um 'francês' entre franceses. São Paulo: ed. Barcarolla / Discurso editorial, 2009, pp. 13-52.

MOUFFE, Chantal. El retorno de lo político. Barcelona: Paidos, 1999.

MOUFFE, Chantal & Laclau, Ernesto. Hegemony and Socialist Strategy. Towards a Radical Democratic Politics. Second Edition. New York: Verso, 2001.

MOUFFE, Chantal. Por um modelo agonístico de democracia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, Nº 25: 11-23, nov. 2005.

MOUFFE, Chantal. En torno a lo político. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2007.

MÜLLER-LAUTER, W. Nietzsche: sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. São Paulo: Editora Unifesp, 2009.

NIETZSCHE, F. (DH) A disputa de Homero. Em: Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. (Co. Ext. II) Segunda Consideração Intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

NIETZSCHE, F. (GC) Gaia Ciência. São Paulo: Ed. Cia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. (Z) Assim Falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, F. (BM) Além do Bem e do Mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. (CI) O Crepúsculo dos Ídolos. Rio de Janeiro: Relumé Dumará, 2000.

NIETZSCHE, F. (VP) A Vontade de Poder. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto, 2008.

NIETZSCHE, F. (EH) Ecce Homo. São Paulo: Ed. Cia das Letras, 2008.

PASCHOAL, Antônio Edmilson. Nossas virtudes. Indicações para uma moral do futuro. Em: São Paulo, Cadernos Nietzsche, 12, pp. 53-69.

PINHO, Luiz Celso. A presença de Nietzsche na obra de Foucault: mais do que uma afinidade filosófica. Em: Princípios, Natal, v.16, n.26, pp. 167-187, jul./dez. 2009.

RAWLS, J. Justice as Fairness: Political not Metaphysical. In: Philosophy & Public Affairs, Vol. 14, No. 3, pp. 223-251, Summer, 1985.

SCHRIFT, Alan. Alan D. Nietzsche French Legacy: a genealogy of poststructuralism. New York: Routledge, 1995.

SIEMENS, Herman. Reassessing Radical Democratic Theory in the Light of Nietzsche’s Ontology of Conflict. In: ANSELL-PEARSON, Keith (org.). Nietzsche and Political Thought. London: Bloomsbury Academic, 2013.

STRAUSS, Leo. Studies in Platonic Political Philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1983.

THIELE, L. P. The agony of politics: The Nietzschean Roots of Foucault's Thought. In: The American Political Science Review, Cambridge, 84(3), pp. 907-925, 1990.

TONGEREN, Paul van. A moral da crítica de Nietzsche à moral: estudo sobre Para Além do Bem e do Mal. Curitiba: Champagnat, 2012.

WENMAN, Mark. Agonistic democracy: constituent power in the era of globalisation. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

Downloads

Publicado

2021-01-29