Alemanha, liberdade e comércio em Maquiavel

Autores

  • Igor Ferreira Fontes Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2021.e79096

Palavras-chave:

Maquiavel, Liberdade, Comércio, República, Alemanha

Resumo

O presente artigo tem por objetivo argumentar que Nicolau Maquiavel admite a possibilidade de o comércio poder coexistir com a liberdade de uma república. Essa possibilidade seria vislumbrada a partir de seus comentários à Alemanha, elogiada pela preservação da liberdade e cujos cidadãos teriam no comércio sua principal fonte de renda. Para cumprir seu objetivo o artigo se divide em duas partes: na primeira pretende-se indicar que para Maquiavel o fator econômico ocasionador de corrupção não seria exatamente o comércio, mas um excessivo acúmulo de riquezas passível de ocorrer em qualquer atividade econômica; na segunda busca-se compreender a visão de Maquiavel sobre a Alemanha para em seguida investigar a participação deles no comércio. A conclusão do artigo é que para Maquiavel a coexistência do comércio com o vivere libero seria uma possibilidade cuja efetivação dependeria das ordenações da república.

Referências

ARRIGHI, G. O longo século XX: dinheiro, poder e as origens do nosso tempo. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Editora Unesp, 1996.

AMES, J. L. Conflito e liberdade: a vida política para Maquiavel. Curitiba: Editora CRV, 2017.

BARBON, F.H. I segni dei mercanti a Venezia nel Fondaco dei tedeschi. Atti e memorie dell’Ateneo di Treviso, n.23, p.103-122, 2007.

BIGNOTTO, N. Maquiavel republicano. São Paulo: Loyola, 1991.

BOCK, G. Civil discord in Machiavelli’s Istorie Fiorentine. In: BOCK, G.; SKINNER, Q.;

VIROLI, M. (ed.). Machiavelli and republicanism. Cambridge: Cambridge University Press, 1990, p. 181-201.

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII: as estruturas do cotidiano, vol.1. Trad. Telma Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII: os jogos das trocas, vol.2. 2. ed. Trad. Telma Costa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009a.

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII: o tempo do mundo, vol.3. 2. ed. Trad. Telma Costa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009b.

BRESCHI, R. Il concetto di «corruzione» nei «Discorsi sopra la prima deca di Tito Livio». Studi Storici, anno 29, n. 3, p. 707-735, 1988.

FONTES, I.F. A relação entre comércio e instituições republicanas em Maquiavel. Dissertação (mestrado em Filosofia) – Universidade Federal de Sergipe, 2020.

FORNAZIERI, A. Maquiavel e o bom governo. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade de São Paulo, 2006.

HARRELD, D.J. High Germans in the Low Countries: German merchants and commerce in Golden Age Antwerp. Leiden/Boston: Brill, 2004.

KELLENBENZ, H. Le miniere di Primiero e le relazioni dei Fugger con Venezia nel

quattrocento. Atti della Accademia roveretana degli Agiati, v. 28, n. 6, p. 365-385, 1990.

LIVIO, T. Storie: libri I-V. Trad. Luciano Perelli. Torino: UTET, 1974.

LONG, P. O. Artisan/Practitioners and the rise of the New Sciences, 1400-1600. Corvallis: Oregon State University Press, 2011.

LONG, P. O. Trading zones in Early Modern Europe. The History of Science Society, v. 106, n. 4, p. 840-847, 2015.

LUPPRIAN, K.-E. Il Fondaco dei tedeschi e la sua funzione di controllo del commercio tedesco a Venezia. Centro Tedesco di Studi Veneziani, Venezia, quaderni 6, p.3-20, 1978.

MACHIAVELLI, N. Tutte le opere. Firenze: Sansoni, 1971.

MAHER, A. The power of “wealth, nobility and men:” inequality and corruption in Machiavelli’s Florentine Histories. European Journal of Political Theory, p. 1-20, 2017.

MAQUIAVEL, N. Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Trad. MF. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Trad. Diogo Pires Aurélio. São Paulo: Ed. 34, 2017.

MARTINS, J.A. Os fundamentos da república e sua corrupção nos Discursos de Maquiavel. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade de São Paulo, 2007.

MISKIMIN, H. A. The economy of later Renaissance Europe: 1460-1600. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

MOLÀ, L. The silk industry of Renaissance Venice. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2000.

OSTRENSKY, E. Maquiavel: a ambição e o dilema das leis agrárias. Lua Nova, n. 107, p. 55-90, 2019.

PANCERA, C. G. K. Diálogos em torno da igualdade. Ponderações sobre as objeções de J. L. Ames. In: ADVERSE, H. (org.). Reflexões sobre Maquiavel: 500 anos de O Príncipe. São Paulo: Loyola, 2015, p. 153-170.

PANCERA, C. G. K. Liberdade e igualdade no pensamento político maquiaveliano. In: ADVERSE, H. (org.). Filosofia política no renascimento italiano. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFMG, 2013, p. 145-170.

PANCERA, C. G. K. Maquiavel entre repúblicas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

PESANTE, M. L. Il commercio nella repubblica. Quaderni Storici, v. 105, n. 3, p. 655-695, 2000.

PIRENNE, H. Storia economica e sociale del Medioevo. Trad. Maurizio Grasso. Roma: Newton Compton, 2012. Edizione digitale.

RIEDER, M. Cosmopoliti sull’Adriatico. Mercanti ed industriali a Venezia e Trieste. Qualestoria – Rivista di storia contemporanea, Anno XXXVIII, n.1, p.99-133, 2010.

ROSE, J. L. “Keep the Citizens Poor’: Machiavelli’s prescription for republican poverty. Political Studies, v. 64, n. 3, p. 1-14, 2015.

SILVA, R. Da honra ao patrimônio: conflito social e instituições políticas nos Discorsi de Maquiavel. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 12, p. 43-66, 2013.

SILVA, R. Desigualdade e corrupção no republicanismo de Maquiavel. Dados, Rio de Janeiro, v.63, n.3, p.1-37, 2020.

SILVA, R. Liberdade, desigualdade e dominação: a economia política do neorrepublicanismo. In: MIGUEL, L. F. (org.). Desigualdades e democracia: o debate da teoria política. São Paulo: Editora Unesp, 2016, p. 137-170.

VEGAS, J. L. C. Ciudad rica y ciudadanos pobres. La consideración de la riqueza en el republicanismo florentino. Ingenium – Revista de historia del pensamiento moderno, n. 7, p. 71-91, 2013.

VON STROMER, W. Bernardus teotonicus e i rapporti commerciali tra la Germania Meridionale e Venezia prima della istituzione del Fondaco dei Tedeschi. Centro Tedesco di Studi Veneziani, Venezia, quaderni 8, p.3-33, 1978.

ZAORAL, R. Silver and glass in medieval trade and cultural exchange between Venice and the Bohemian Kingdom. The Czech Historical Review, v.109, n.2, p.284-310, 2011.

Downloads

Publicado

2021-07-16